A terceira edição do cruzeiro religioso e cultural do Tejo, que decorreu desde o dia 30 de Maio até ao passado domingo, 14 de Junho, ligou as comunidades avieiras localizadas em sete pontos da margem do rio. A santa dos avieiros foi transportada ao longo do percurso em embarcações tradicionais, engalanadas a preceito e acompanhada de perto pelos seus devotos, bombeiros e fuzileiros. Em cada paragem obrigatória, as populações locais, membros do executivo de freguesia e camarário marcaram a sua presença, tanto na recepção como na partida da santa.

Segundo o que José Gaspar, membro da organização, revelou aos órgãos de comunicação social, os barcos que transportam a imagem de Nossa Senhora dos Avieiros, e todo o momento envolvente, transmitem uma "mensagem".

Publicidade
Publicidade

Além disso, "este caminho ao longo do Tejo liga estas comunidades. A ideia original seria revitalizar as populações ribeirinhas", acrescenta. Acompanhámos a passagem da imagem religiosa em várias paragens e constatámos a forma como cada comunidade acolhe, passa e sente esta tradição. Cada pessoa vê a religião de forma diferente.

A peregrinação fluvial conta com uma nova imagem há cerca de três anos. Numa das etapas falámos com Patrícia Padinha, presidente da Associação de Pescadores de Alhandra Rios e Marés, recentemente criada para o efeito e para as restantes atividades que o bairro de avieiros realize para a comunidade e população em geral. De acordo com a presidente da Associação Rios e Marés, esta iniciativa "movimenta centenas de avieiros. O ano passado não tínhamos a associação criada.

Publicidade

Foi por causa da santa que se criou a associação de pescadores, pedimos vários apoios à junta e várias empresas da zona para nos ajudarem, para organizarmos a procissão e o jantar. Somos novos nisto. Em termos gerais correu bem. Toda a gente gostou do almoço e da procissão. Tivemos alguns percalços, mas nada que não se ultrapassasse. Para o ano é só de passagem porque disseram que ficava um ano em cada terra e para o ano provavelmente vai dormir na Póvoa de Santa Iria". "Fica o agradecimento a todos os pescadores que participaram e colaboraram com o evento", acrescentou Patrícia Padinha.

Numa altura de santos populares, a tradição mantém-se com a procissão e um conjunto de animações em cada ponto do rio. Em seguida passou pela Póvoa, pela Moita e iria para a marina de Oeiras, mas devido ao mau tempo não foi possível. O programa contou ainda com a participação do Trio Musical "Os Primos", que animou a noite no bairro dos avieiros. #Religião