Numa época em que cada vez mais portugueses não confiam nos políticos, interessa mais do que nunca conhecer um pouco mais sobre a ascensão da República em Portugal. O grande poeta Luís de Camões, é um nome incontornável na #História. Apesar de ter vivido no século XVI, foi "chamado" para ajudar (nos últimos anos do século XIX e no princípio do século XX) a promover o sistema sucessor da monarquia. Pode parecer estranho, mas foi verdade. 

João Vasco de Almeida e Rui F. Baptista contam, na obra “Os 12 Erros que Mudaram Portugal”, que Camões fez parte da bem-sucedida estratégia para convencer o povo que a República teria de ser o futuro de Portugal: “Vai de mandar construir, à volta destes ensejos liberais, uma miríade de objectos que serviam para colocar a República em todos os produtos, como as bolachas com as efigies do poeta Camões, para as comemorações do tricentenário da sua morte, em 1880”.

Publicidade
Publicidade

Camões foi assim um contributo para dar início a um novo ciclo político em Portugal. O próprio poeta recuperou a popularidade, que durante algum tempo parecia ter desaparecido (desconhecendo-se exatamente as razões que levaram a tal). Os Lusíadas voltaram a ser uma obra muito falada na literatura portuguesa.

Para estes autores, foi um erro enorme o facto de  o povo ter sido convencido a adotar a República como regime político de Portugal, apenas porque…admirava a intensiva campanha de merchandising que tinha sido feita. As ideias politicas eram praticamente desconhecidas. 

No entanto, apesar do resultado destas medidas, na passagem de 4 para 5 de outubro de 1910, e ainda na obra referida supra, João Vasco de Almeida e Rui F. Baptista também referem que "a população de Lisboa não aderiu aos revoltosos, mas também não se impôs pelo rei.

Publicidade

Os civis preferiam beber o seu copo a atirar-se para o meio da revolução". O povo estava cansado de confusões, apenas pretendia tranquilidade. 

A Carbonária, que desejava ter muita gente nas ruas, optou por fechar-se em "copas", incumbindo a tarefa de instalação da República a um reduzido número pessoas, que estariam assim praticamente por sua conta. Cumprindo à risca a desorganização, o general Cândido dos Reis, um dos responsáveis pela preparação do golpe republicano (e que no passado já tinha falhado por duas vezes), recebeu a notícia errada de que a revolução republicana estava a falhar: "O almirante Reis foi condenado pela má informação e, acima de tudo, pela fraca resposta que os Carbonários deram ao apelo à revolta", revelam João Vasco de Almeida e Rui F. Baptista.  Desesperado, o general suicidou-se

De acordo com José Moradia no livro "Com Permissão Sua Majestade", a Maçonaria portuguesa e a Maçonaria inglesa, estiveram em negociações para que nada impedisse a existência de um novo regime em Portugal. A maçonaria, como se sabe ainda hoje tem forte influência no poder português. E assim, de forma muita resumida, se contam alguns dos segredos que estiveram na origem na implantação da república portuguesa.  #Governo #Curiosidades