Nem sempre a capital do reino português se localizou em território continental. No século XIX, a sede do governo esteve instalada na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. Em que momento passaram os alentejanos, minhotos ou beirões a poder dizer que a capital do seu país era o Rio de Janeiro? Quais os motivos que levaram a tal facto?

Durante o início do século XIX toda a Europa estava a ser vítima de guerras entre a França e Inglaterra com o objectivo de alcançar a primazia geoestratégica no continente. Em 1806 Napoleão Bonaparte, enquanto imperador da França, bloqueou todas as trocas comerciais com a Inglaterra, deixando Portugal, à época pelo príncipe regente D. João, num estado delicado. Portugal mantinha uma longa e centenária relação comercial com Inglaterra, mas também temia o exército napoleónico. D. João mantém uma atitude dúbia, procurando ao máximo manter a neutralidade. Porém, não admitindo a interrupção com a Inglaterra, a situação tornar-se-ia insustentável.

À aproximação do exército francês comandado por Junot, naquela que constituiu a Primeira Invasão francesa, Príncipe Regente e a sua corte não tiveram alternativa e, num dos melhores golpes dados na história da Europa, evacuam Lisboa em direcção a uma das suas colónias, o Brasil, protegidos pela armada Inglesa, em troca da abertura dos portos brasileiros ao seu país.

Assim sendo, a frota constituída pelo príncipe, sua mãe D. Maria I, a princesa Carlota Joaquina e as crianças, incluindo D. Pedro que viria a ser o futuro Imperador do Brasil, e mais cerca de 15 mil pessoas, assim como todos os bens que tinham conseguido carregar (móveis, objetos de arte, jóias, louças, livros, arquivos e todo o tesouro real imperial) desembarcam no porto de Salvador da Bahia a 22 de Janeiro de 1808.

No entanto, o principal destino da Corte Portuguesa seria chegar à capital da colónia, o Rio de Janeiro, onde desembarcaram em Março do mesmo ano, instalando-se aí a então capital de Portugal. Foi nesta época que o Rio de Janeiro sofreu as mais profundas alterações. Pela primeira vez na #História, uma colónia tornava-se a sede governamental de um Reino.

Depois da vitória dos povos europeus contra Napoleão, em 1815, ficou decidido que os reis deveriam voltar a ocupar os seus tronos. Todavia, D. João, que não desejava voltar ao país que se encontrava agora empobrecido, renomeou o Estado como Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, deixando o Brasil de ser uma colónia e adquirindo a sua autonomia administrativa.

Entretanto, no ano de 1820 dá-se a Revolução Liberal no Porto, iniciando a Monarquia Constitucional. D. João deixa de ser considerado monarca absoluto por direito divino e passa a seguir a futura Constituição do Reino, o que exigia o seu regresso a Portugal e exigia a anulação da autonomia administrativa do Brasil, fazendo que em 1821 D. João VI voltasse a Portugal, deixando o seu filho D. Pedro como primeiro príncipe regente do Brasil. A Constituição viria a ser jurada pelo rei no ano seguinte. #Curiosidades