Os Hegemon colocaram em streaming a primeira nova #Música do seu próximo álbum, intitulado “The Hierarch”. A música escolhida foi a sinistra “Interpreting Signs For War: Aruspicine” e está a ser partilhada em sites de publicações especializadas, parceiros oficiais da editora, tais como Stormbringer, Terrorizer, Metal Hammer norueguesa ou o nacional Ultraje. “The Hierarch” será lançado pela editora francesa Season Of Mist no dia 13 de Novembro. O lançamento terá edições muito limitadas em formato cd digipack e vinil. O artwork da versão em vinil foi criada pelo artista famoso romeno Costin Chioreanu (que já trabalhou com os Mayhem, Vulture Industries, At The Gates e para o festival Roadburn), trabalho esse que podemos apreciar na galeria de imagens deste artigo.

Publicidade
Publicidade

Movendo-se nos meandros do black metal, os Hegemon são um dos nomes de culto da cena francesa, com uma carreira que teve inícios em 1996, embora o primeiro trabalho longa-duração só tenha surgido quatro anos depois, já no novo milénio. A regularidade discográfica não é aquilo que marca a banda e este “The Hierarch” surge sete anos depois do último álbum “Contemptus Mundi”.

Apesar disso, a qualidade é uma constante e, neste quarto trabalho, a banda não tem medo de revelar as suas raízes, evidenciando tanto de traços da complexidade e dos arranjos épicos dos Emperor, assim como um toque das orquestrações poderosas que os Dimmu Borgir dominam. Também é possível distinguir doses dos primórdios de bandas como Enslaved e Borknagar, demonstrando que a inspiração norueguesa é evidente mas que também a banda do sul de França consegue manter a sua própria identidade musical nas suas composições sinistras.

Publicidade

O toque típico do black metal francês está inegavelmente presente.

A banda surgiu quando o baixista A e o vocalista N decidiram trabalhar em conjunto, tendo como resultado duas demos lançadas em dois anos, não demorando muito a que o primeiro trabalho, “Chaos Supreme”, fosse lançado, assim como o segundo, “By This, I Conquer”, de 2002. Após esta fase, surgiram as inevitáveis mudanças na formação e também uma mudança na orientação.

Apesar de decidirem manter-se fiéis aos seus originais ideais, os Hegemon decidiram canalizar a sua raiva e violência em novas formas criativas, fortalecendo a sua evolução de uma máquina de guerra anárquica para uma arma inteligente e controlada contra tudo aquilo que escraviza a humanidade.

O aclamado terceiro álbum, “Conteptus Mundi”, lidava com a guerra durante vários períodos da história da humanidade, desde a Grécia antiga, passando pelo Egipto e Suméria até a Mesopotâmia. Como a humanidade parece que nunca aprende com os seus próprios erros, “The Hierarch” demonstra mais uma vez que guerra e caos estão no seu sangue.

Publicidade

Este álbum toca no facto de que a história da humanidade dura apenas por um piscar de olhos naquilo que é vastidão do universo. Segundo declarações da banda no comunicado de imprensa, nós, os seres humanos pensamos que somos tudo o que há de mais importante no universo mas que é precisamente esse o nosso maior erro. Somos cegos e assim vamos ficar até ao fim, terminam.

Os Hegemon celebram 20 anos de carreira com “The Hierarch” e apesar dos seus membros permanecerem apenas como sombras sem nome, é sabido que um novo baterista e guitarrista juntaram-se ao grupo. As pré-vendas para o álbum já estão disponíveis e a edição será limitada a 666 cópias de cd digipack e a 333 cópias em vinil.