A sequela de "The Girl With The Dragon Tattoo" está finalmente a revelar-se. Mas pode vir a não corresponder exatamente ao esperado. E pode não ser exatamente uma sequela.

“Os homens que odeiam as mulheres” (título original “The Girl With The Dragon Tattoo”) é um filme sobre uma investigação da hacker Lisbeth Salander (Rooney Mara) e do jornalista Mikael Blomkvist (David Craig), lançado em 2011, baseado no primeiro livro da obra de Stieg Larsson. Da trilogia do autor fazem também parte “A rapariga que sonhava com uma lata de gasolina e um fósforo” e “A rainha no palácio das correntes de ar”.

O “Millenium” tem também uma versão sueca, produzida antes do filme de David Fincher.

Publicidade
Publicidade

No novo projeto, tanto o realizador como os protagonistas vão ficar de fora, e , segundo o “The Hollywood Reporter”, só os produtores Scott Rudin e Amy Pascal vão marcar presença novamente.

Estas ausências no novo filme podem ser explicadas pelo elevado custo de produção de “Os homens que odeiam as mulheres” (cerca de 90 milhões de dólares). Apesar de ter sido um sucesso global e arrecadado 233 milhões de dólares, a Sony pretende alterar o conceito para tentar minimizar os custos.

O novo filme, intitulado “A rapariga apanhada na teia de aranha” (título original “The Girl in The Spider’s Web”), está a gerar já alguma polémica. Dizem os críticos e os fãs que não se pode considerar exatamente que o segundo seja uma sequela do primeiro. Este é o quarto livro da saga, lançado no verão de 2015, e foi escrito por David Lagercrantz já depois da morte de Stieg Larsson, em 2004.

Publicidade

Os planos da Sony não passam para já por produzir o “The Girl Who Played With Fire”, o segundo da trilogia.

Com Rooney Mara de fora, Alicia Vikander (Ex Machina) foi já apontada para interpretar o papel principal (Lisbeth Salander). A Sony Pictures manteve em aberto os planos sobre a continuação da trilogia “Millenium”. Até agora. Mas tanto Fincher como Mara tinham já revelado no início deste ano que não acreditavam num novo filme, embora os rumores de que a produtora iria avançar com o projeto em 2016 tenham mantido altas as expetativas dos fãs. #Filmes #Cinema #Livros