Dezembro confirma a tendência que se verificou em 2015. Música de qualidade dentro dos mais variados géneros e subgéneros da #Música pesada. Além dessa variedade, o que temos a destacar neste mês de Dezembro é a qualidade também do som nacional, sendo que temos três grandes trabalhos a destacar. Aproveitando o espírito natalício, vamos então desembrulhar as prendas que Dezembro nos trouxe.

Mais que nunca, a indústria musical está mudada. A estreia dos norte-americanos Necrocosm, lançada em edição de autor, é sinal dessa mesma mudança. “Damnation Doctrine” é death metal melódico de alta qualidade ao qual é impossível ficar indiferente.

Publicidade
Publicidade

Num espectro consideravelmente diferente, temos o regresso dos noruegueses Dystopia Nå!, com o seu metal experimental. “Dweller On The Threshold” é recomendado para aqueles que gostam de algo fora da caixa. Cheio de dinâmica, este é um trabalho que vai crescendo dentro do ouvinte com sucessivas audições.

Continuando por caminhos mais subtis, “This Is Not Supposed To be Positive”, o quarto álbum dos franceses Hangman’s Chair tem que ser obrigatoriamente destacado. Apesar de ter uma costela bem doom, seria redutor associar este trabalho a qualquer estilo em concreto. É pesado (na maior parte das vezes emocionalmente) e é belo. E chega. Nem só do estrangeiro nos chegam propostas desafiantes. A estreia dos Di.Soul.Ved, “Confessions From The Soul – Volume 1”, uma verdadeira superbanda nacional com membros de Grog, Downthrat, Simbiose entre outros, insere-se na mesma categoria desafiante.

Publicidade

A sua abordagem ao grindcore é verdadeiramente refrescante. Uma nova entidade a acompanhar no futuro.

No campo das sonoridades tradicionais, foi possível assistir ao regresso de Chastain, banda liderada pelo talentoso guitarrista com o mesmo nome. Com a vocalista original Leather Leone no comando do microfone, “We Bleed Metal” é um álbum de heavy metal tradicional que todos os fãs da velha guarda não podem perder. Ainda no heavy metal tradicional, os Barbarian Fist estreiam-se com “The Whorelord Cometh”. A capa pode ser de mau gosto, mas a música, essa, é essencial para quem aprecia os primórdios do heavy metal, quando o doom andava de mãos dadas com o estilo. Voltando para o thrash metal, mais uma estreia discográfica que nos surge pelas mãos da Punishment 18 Records: Envenomed. A banda australiana tem em "Evil Unseen" um dos grandes álbuns do género lançado nos últimos tempos.

Na recta final desta selecção do mês de Dezembro temos dois pesos pesados nacionais. O primeiro, uma banda de qualidade ímpar, os The Black Wizards.

Publicidade

Pegando no espírito do verdadeiro rock, dotando-o com uma emoção pura, difícil de copiar, “The Lake Of Fire” é um álbum de qualidade inegável e sobretudo imortal. Atrás não se fica o tão aguardado regresso dos Dollar Llama. “Grand Union” quebra o silêncio de seis anos com um estrondo. A energia rock tão característica da banda está de volta como se tivesse passado apenas um dia. Cheio de groove metálico, este é um trabalho que se revela viciante em tão pouco tempo.

A finalizar os destaques ficamos com os Our Oceans, um novo projecto com ex-membros dos Cynic que surpreende pela sua abordagem atmosférica e pela riqueza do seu som, ideal para quem gosta de peso mas também de dinâmica e variedade, principalmente ao nível de emoções. Misturando rock/metal progressivo no mesmo saco e indo ainda mais longe, este álbum auto-intitulado é obrigatório para todos os fãs de viagens astrais. O bilhete para a viagem é “Our Oceans”.