A revelação foi feita por Laurentino Gomes no livro "1822". Existiram planos para Napoleão Bonaparte, o homem que causou o terror na Europa no século XIX, responsável pela fuga do rei português D. João VI para o Brasil, rumar à América do Sul. Podia ter conduzido o Brasil à independência. Podia ter sido imperador de um território que unia todas antigas colónias espanholas sul-americanas. 

Maio 1817: o plano da Revolução Republicana de Pernambuco

Laurentino Gomes afirma que em maio de 1817 António Gonçalves da Cruz (um comerciante), foi enviado pelos republicanos de Pernambuco aos Estados Unidos para tentar convencer os antigos homens de confiança de Napoleão (que ali se tinham instalado) para participarem num plano de resgate de Napoleão e de seguida levarem o antigo imperador para Recife, onde o antigo líder francês levaria o Brasil à independência.

Publicidade
Publicidade

Conseguido o objetivo, em troca, era-lhe restituído o seu cargo de imperador em França.

1818: o plano de Thomas Cochrane

As colónias espanholas na América do Sul viviam no caos. De modo a garantir o "comando" dos vários territórios, os movimentos designados de Caudilhos passaram a colocar os exércitos no terreno, como por exemplo, Símon Bolívar, que fundou em 1814 a República da Nova Granada, que daria mais tarde origem à Venezuela e Colômbia. Existia no entanto um problema: os mares eram claramente dominados pelos navios espanhóis. O almirante escocês Thomas Cochrane (que teve mais tarde um importante papel na independência do Brasil, merecendo o título de Marquês de Maranhão), assumiu a responsabilidade de resolver esse problema.

O seu plano inicial foi "mirabolante: sequestrar o imperador Napoleão Bonaparte, que desde 1815 era mantido prisioneiro dos ingleses nas ilhas de Santa Helena, no rochedo solitário situado no Atlântico Sul.

Publicidade

Cochrane acreditava ser possível atacar a ilha de surpresa, render os carcereiros e convencer o general francês a acompanhá-lo até ao Chile", revela Laurentino Gomes no livro "1822". 

O mesmo autor conta que, ao chegar à América do Sul, Napoleão seria declarado imperador de um território único que juntava antigas colónias espanholas sul-americanas. Napoleão seria assim o líder de um território de grandes dimensões, capaz de fazer frente em termos financeiros e políticos aos Estados Unidos.

No entanto, o plano não resultou. Segundo Laurentino Gomes, Cochrane aguardava em Brest que o seu barco estivesse pronto para ser lançado ao mar, para rumar ao Chile, com paragem em Santa Helena. Mas a construção do barco acabou por demorar mais tempo do que o previsto e assim que esteve pronto Cochrane rumou diretamente ao Chile, não concretizando assim o sonho de libertar Napoleão. #História #Curiosidades