Procurando acompanhar a criação de várias marcas de carros, Portugal construiu vários automóveis. Alguns deles foram carros de competição, como o Felcom (1933), o Edfor (1937) ou o Alba (1952-1954), entre muitos outros. Claro que também durante este período foram produzidos carros mais familiares, como o Sado (1982). Segue-se então uma lista de marcas de carros produzidos com o carimbo "Made in Portugal". 

Felcom:

Este modelo é possivelmente o mais antigo em Portugal, construído em 1933 por Eduardo Carvalho. Na realidade o automóvel continha componentes de um Ford A, com o seu já experimentado conjunto de motor com transmissão, o chassis mais leve do Turcat-Méry, o que obrigou a redesenhar a carroçaria do veiculo.

Publicidade
Publicidade

Mas o Felcom de Eduardo Carvalho não teve uma vida muito longa; participou brevemente numa competição na Boavista e, apesar de ter corrido no Circuito do Estoril, foi obrigado a desistir. 

Edfor:

O primeiro passo para a construção em pequena série de um automóvel, o Edfor, partiu de Eduardo Ferreirinha. Este conhecido automobilista tinha um grande talento mecânico e industrial e decidiu avançar na década de 30 para a construção de um carro português. O Edfor, que partiu de uma adaptação dos veículos Ford, foi equipado com uma carroçaria "Torpedo" em alumínio com um peso total de 150 kg; é de realçar o esqueleto em liga especial de alumínio fundido, um processo de construção inédito para a época. O próprio motor V8 foi também alterado com os próprios pistões produzidos pela EFI. O Edfor, construído com apenas dois lugares, rapidamente captou a atenção de todos e até a imprensa estrangeira teve interesse.

Publicidade

Em 1937 foi apresentado ao público no Salão do Porto e entrou na competição do Circuito de Vila Real nesse mesmo ano. Foram construídos apenas quatro exemplares deste magnifico carro, mas com o início da II Guerra Mundial as esperanças de produzir em série o veiculo terminaram. Atualmente só se conhece a localização de um Edfor, que pertence ainda à família de Eduardo Ferreirinha. 

DM:

Esta marca portuguesa foi uma das que começaram mais cedo a produzir carros, em 1951, mas também teve o azar de ser a primeira a encerrar a sua atividade, em 1954. O primeiro carro da marca chamava-se Dima e tinha orgulho de ser um carro simples mas bastante elegante. Foi procurar inspiração ao chassi de longarinas e travessas do Simca 1100 e teve direito a uma elegante carroçaria desenhada por Dionísio Mateu e construída nas instalações da Auto federal, Lda. Houve alguns percalços com o nome da marca, pois era bastante parecido com outro popular modelo, o Dyna. Então Dima passou a designar-se por DM. Surpreendentemente, a mudança de nome da marca até teve boas consequências pois tornou-se muito mais versátil e chegaram a ser construídas mais de sete tipos de carroçarias diferentes.

Publicidade

Apesar de estar a ter uma boa aceitação por parte do povo português, a marca acabou por fechar portas devido a diversos desentendimentos entre os dois sócios. 

Alba:

A marca Alba foi o sonho realizado de um grande entusiasta do desporto automóvel, António Augusto Martins Pereira, herdeiro da fábrica metalúrgica Alba, em Albergaria-a-Velha. Foi no ano de 1952 que foi desenhado e construído o primeiro Alba e a nível estilístico estava muito além dos populares DM ou FAP da época. Foi também graças à participação de um piloto e mecânico experiente, Francisco Corte-Real Pereira, que o Alba foi desenvolvido até atingir o seu esplendor e tornar-se num carro capaz de ganhar corridas. A marca produziu vários motores, mas o que mais se destacou foi uma criação própria toda em alumínio com duas árvores de cames à cabeça e duas velas por cilindro, elaborado na própria fábrica Alba. A marca Alba ainda se aguentou algum tempo em funcionamento e em 1961 o piloto Francisco Corte-Real Pereira conquistou a terceira posição no Rali Nocturno de Salgueiros.  #Negócios #História #Curiosidades