Esta semana foi comunicado ao público pelo Ministério do Património e da Cultura de Omã que foi encontrada perto da da ilha Al Hallaniyah, na zona de Dhofar, uma nau portuguesa que terá sido comandada por Vasco da Gama em 1503. Suspeita-se que pode ser a nau "Esmeralda". A descoberta já tinha sido feita em 1998.  Embora admitam que se pode tratar de uma extraordinária descoberta, alguns historiadores portugueses não estão contentes com os métodos  aplicados em torno deste achado.

O site do Expresso refere que "(...) o historiador Jorge Semedo Matos e o arqueólogo subaquático Filipe Castropõem em causa sobretudo a forma como foi feito o anúncio de uma descoberta que nem sequer contou com investigadores portugueses e que foi divulgada com «segredinhos» que, afirmam, «minam a credibilidade» do achado".

Publicidade
Publicidade

Filipe Castro não considera David Mearns, o líder da empresa responsável pela recolha dos achados, alguém digno de confiança. O arqueólogo revela que existem vários procedimentos que merecem ser questionados:.

  • esta descoberta foi feita em 1998, mas só agora foi revelada;
  • David Mearns tem retirado vários objetos do fundo do mar, podendo ser um indício de interesses pessoais (Filipe Castro não coloca em causa, contudo, o valor das peças,);
  • as investigações não envolveram portugueses. 

José Semedo Matos não sei deixa impressionar por esta descoberta, achando que são necessários mais dados para se dizer realmente que a nau é a Esmeralda.

Até ao momento, desde 2013, as campanhas arqueológicas ao serviço da empresa britânica Blue Water Recoveries Ltd. (BWR) já conseguiram trazer à superfície 2.800 objetos (nomeadamente moedas, uma esfera armilar e um distintivo particular do rei D.

Publicidade

Manuel I).

O português desprezado

António Camarão afirma ter tido um papel importante descoberta da Nau. Segundo o próprio afirmou ao Jornal de Notícias, teve um papel decisivo na localização da nau e foi responsável pela primeira escavação nas proximidades da ilha Al Hallaniyah, em Dhofa.

Numa carta de 2002, David Mearns reconhece que, de facto, António Camarão teve um papel importante na descoberta da nau. #História #Curiosidades