Nos séculos XV e XVI Portugal e Espanha foram donos e senhores do mundo. Foram grandes comerciantes, conquistaram e descobriram muitos territórios. A #História não esqueceu os seus feitos e ainda hoje são justamente recordados. No entanto, existiram outros protagonistas que brilharam na navegação muito antes. Contamos aqui resumidamente os feitos de alguns.  #Curiosidades

  • Egípcios - Os documentos mais antigos que se conhecem revelam que os egípcios foram os primeiros exploradores marítimos. Procuraram chegar a Punt, o país dos Somalis, com o objetivo de encontrar, por exemplo, incenso, marfim ou pedras valiosas.
  • Fenícios (de Gades) - Encontraram a rota marítima que os faria chegar às Ilhas de Estanho ou Cassitérides. De tudo faziam para que mais ninguém encontrasse este caminho. Os navios estrangeiros que tentassem fazer a rota acabariam no fundo do mar. 
  • Gregos - Preocuparam-se em explorar caminhos marítimos no sentido do Oceano Índico. Nesse sentido, a localização da cidade de Alexandria (encontra-se entre o Mar Mediterrâneo, o Mar Vermelho, o mundo ocidental e o mundo oriental) assumiu uma grande relevância para a estratégia dos gregos.
  • Romanos - Um dos impérios mais fortes que o mundo já conheceu, dominou como se sabe uma grande parte do continente europeu, o Norte de África e algumas zonas do Médio Oriente. As enormes dimensões territoriais permitiram aos Romanos estabelecer várias rotas comerciais, sobretudo entre os seus territórios. Os Romanos também terão navegado até Ceilão e Catigara (cidade portuária chinesa) em busca de especiarias. 
  • Normandos - Documentos dos séculos XIV e XVI e os relatos ainda mais antigos de Erik o Vermelho e de Thorfinn Karlsefni permitem que a maioria dos historiadores acredite que, por volta do ano 1000, os Normandos encontraram as costas do nordeste da América. Esta descoberta não terá acontecido por acaso. De acordo com Jaime Cortesão, no volume I do livro "Os Descobrimentos Portugueses", "fizeram-se por etapas sucessivas e depois da colonização de cada uma das escalas, separadas, aliás, por pequenas distâncias: da Irlanda ou da Noruega, os navegantes atingiram sucessivamente as Feroer, a Islândia, a Gronelândia e finalmente a América continental".
  • Muçulmanos - O geógrafo árabe Idrisi (conhecido em tempos como o Ptolomeu Árabe), que nasceu em 1099, contou no seu livro "Geografia" que um grupo de corajosos árabes decidiu viajar pelo Oceano Atlântico, partindo de Lisboa um pouco antes de 1147 (o ano em que a cidade foi tomada pelos portugueses). Idrisi conta que aqueles destemidos homens terão chegado às Canárias e à Berbéria, onde terão falado com um líder indígena. Estes homens também terão tentado chegar à América. No século  XIII, o Imperador dos mandinga, Mussa I, terá organizado campanhas marítimas com o objetivo de tentar encontrar uma possível margem do Oceano Atlântico.  
  • Chineses - Segundo a Revista Super Interessante, o imperador Yongle (que foi o 4º na Dinastia Ming), teve de resolver vários problemas económicos e sociais no seu país durante os primeiros anos de reinado. Mas assim que estabilizou o país, investiu em grande nas explorações marítimas. Com um século de antecedência em relação a portugueses e espanhóis, as embarcações chinesas, dotadas de grandes recursos, chegaram a locais como Índia, Oceânia, África e Java. Contudo, os chineses acabaram por abortar as missões. Não se conhecem exatamente as razões para esse recuo. A China perdeu a oportunidade de conquistar o mundo um século antes dos países ibéricos.