O Jazz teve origem nos bairros pobres de Nova Orleães (Estados Unidos). Deverá ter chegado à Europa em 1917, através dos soldados negros americanos que vinham participar na I Guerra Mundial. No caso particular de Portugal, o Jazz também terá chegado sensivelmente por essa altura. Contudo, foi um estilo musical que não estava acessível para todos e não era bem visto em alguns meios. Lisboa procurava esquecer a I Guerra Mundial e o Jazz, para as elites, foi um bom escape.

Os grandes espetáculos de Jazz eram feitos nos clubs. A maior parte dos clubs situava-se na Baixa de Lisboa. Alguns encontravam-se em edifícios simples (como o Club Bristol), outros em palácios, como o Majestic/Monumental, que ficava no Palácio de Alverca.

Publicidade
Publicidade

Quem frequentava estes espaços eram sobretudo políticos, escritores, economistas, artistas plásticos e estrangeiros que visitavam Portugal. 

"A imprensa olhava para o novo género musical como uma moda passageira e sem grande ou nenhum valor artístico, reduzindo os seus praticantes ao anonimato. Ainda assim, são conhecidas as atuações de Argentina Triano, do (grupo) jazz Band sul-americano de Romeu Silva, da bailarina negra Saidie Hopkins e do (grupo) Jazz navio Ranydam", conta a revista Visão #História.

Contudo, o Jazz também se fazia ouvir nas salas do Teatro de São Carlos, do Salão Foz e o Teatro Trindade, na rádio, em grafonolas, nos bailes, nas leitarias e até nos cafés, como por exemplo no Café Chave d'Ouro. No tempo do Presidente da República Bernardino Machado também o Palácio de Belém aderiu a este novo estilo.

Publicidade

Mas o Jazz continuava a não ser muito bem visto na imprensa. O poeta e jornalista António Alves Martins foi uma das vozes discordantes. Referiu em 1924, no Diário de Lisboa, que o Jazz era uma invenção americana insuportável que pretendia só destabilizar a Europa.

Com a chegada da ditadura, em 1926, e de lei que não consentia os jogos de azar, em 1927, os clubs começaram a fechar. Assim, o Jazz tinha que sobreviver noutros locais. O teatro passou a ser um meio de relevo para este género musical. Passou a ser feito em modo de concerto nos anos 40 e 50. #Música #Curiosidades