Foram infantas de Portugal e acabaram por rumar ao estrangeiro, onde se tornaram rainhas consortes. Inglaterra, Dinamarca e Espanha foram os países onde reinaram. Espanha, foi de longe o país onde houve mais portuguesas no trono. Fique a conhecer alguns dos nomes.

D. Berengária - A filha de D. Sancho I e D. Dulce foi a primeira portuguesa a tornar-se rainha na Dinamarca. Casou-se em 1214 com o Rei Valdemar II. Desse matrimónio nasceram Sofia, Eric, Cristóvão e Abel (três homens que foram monarcas daquele pequeno país). Faleceu com 23, ou 25 anos, a 1 de abril de 1221. Encontra-se sepultada na Igreja de St. Bendt, em Ringsted (Dinamarca).

Publicidade
Publicidade

D.  Leonor - Filha do rei D. Afonso II de Portugal e de Urraca de Castela, e sobrinha da já mencionada D. Berengária, casou-se em 1229 com o rei dinamarquês Valdemar III. Sabe-se que faleceu muito nova, com 20 anos, em 1231, na sequência de um parto. O seu esposo faleceu pouco depois. Sem terem deixado qualquer descendência, a coroa foi passando para os cunhados de D. Leonor: Érico, Abel e Cristóvão. Tal como a sua tia, repousa na Igreja de St. Bendt, em Ringsted (Dinamarca).

D. Maria Isabel - Filha de D. João VI e de D. Carlota Joaquina, casou em 1816 com o seu tio, o rei de Castela, D Fernando VII.  Embora seja um fato pouco conhecido da maioria dos portugueses, foi D. Maria Isabel que teve a ideia de criar o mítico museu do Prado. Faleceu, com apenas 21 anos, em 1818 (a 29 de novembro), em Madrid.

Publicidade

Os seus restos mortais estão no Mosteiro de Escorial (Madrid). 

D. Catarina de Bragança - Filha de D. João IV e de D. Luísa de Gusmão, casou em 1661 com Carlos II de Inglaterra. Não foi uma rainha muito bem vista pelos ingleses, devido ao fato de ser católica. Contudo, D. Catarina introduziu alguns hábitos em Inglaterra: geleia de laranja, utilização de talheres, tabaco e chá. Após a morte do marido, D. Catarina ainda ficou mais alguns anos em Londres, mas acabaria por regressar a Lisboa. Foi na capital  portuguesa que faleceu, aos 66 anos, a 31 de Dezembro de 1705. Inicialmente a sua sepultura foi nos Jerónimos, mas no século XIX acabou por rumar ao Panteão dos Braganças, que se situa São Vicente de Fora.

D. Isabel - É considerada uma das rainhas europeias mais marcantes no século XVI. Filha de D.  Manuel I e de D. Maria, casou-se em 1526 com o seu primo Carlos V, o que lhe garantiu assim o título de rainha de Espanha e imperatriz da Alemanha. Teve 5 filhos: Fernando e João (que morreram com 1 ano de idade), Joana de Austria, Maria de Austria e Filipe (II de Espanha, I de Portugal).

Publicidade

Teve a preocupação em educar os seus filhos na língua portuguesa. Com a participação de D. Carlos V em guerras, D. Isabel assumiu um papel de primeiro plano na coroa espanhola entre os períodos de 1528 a 1533 e de 1535 a 1538.  Faleceu na sequência de um parto, em Toledo, a 19 de Julho de 1539, aos 35 anos. D. Carlos V ficou destroçado com a perda da esposa, de tal modo que não se casou mais vez nenhuma e passou a usar até ao fim da sua vida o preto nas suas roupas. D. Isabel está sepultada no Mosteiro de Escorial (Madrid). #História #Curiosidades