Depois do infame episódio da suposta propaganda racista, ocorrido no evento "Dimebash", no princípio do ano, o vocalista Philip Anselmo falou recentemente, pela primeira vez, sobre algo que gerou muita polémica no seio da comunidade metaleira, afirmando contudo que não é racista e que, apesar de um sincero pedido de desculpas, tudo não passou de uma "piada interna".

Numa entrevista à revista norte-americana Decibel, o ex-vocalista de Pantera começou por "assumir a inteira responsabilidade". "Eu não me abstraio disso. Tudo o que fiz foi absolutamente insultuoso e abominável, porque eu aborreci realmente as pessoas e dói-me o coração por saber que as pessoas julgam que eu sou racista.

Publicidade
Publicidade

As pessoas que me conhecem realmente sabem que isso é absolutamente ridículo. Mas se eu ofendi os meus amigos judeus, as pessoas com quem trabalho, os meus sócios, as outras pessoas nas bandas... se aborreci as pessoas dessa forma, é por isso que eu peço desculpa. O pedido de desculpas está feito e nunca mais vou fazê-lo", afirmou.

Philip Anselmo explicou também o que o levou a ter essa atitude e parece que a culpa foi do álcool, já que o próprio indicou que "estava completamente bêbado": "Não há desculpa, mas estava. Já era tarde e o meu humor estava alterado por causa da situação em geral. Fomos honrar o meu guitarrista assassinado e isso ainda é algo que um pedaço de mim não consegue enfrentar. Eu sei que as pessoas estão a ler isto a preto e branco, mas o meu coração dói enquanto falo nisto.

Publicidade

Agora, a partir do momento em que eu pisei o palco até ao amargo final da noite, houve alguns miúdos que me chamaram racista, durante toda a noite. 'Racista, racista, racista', uma e outra vez, entre as músicas, durante as músicas, durante as minhas brincadeiras em palco. E eu marquei: Aos 4:35 no vídeo, podes ver que começo lentamente a ficar irritado e agitado. Aos 5:10, podes ver-me a fixar essas pessoas e a confrontá-las. Até as convidei para subirem ao palco e dizerem-me aquilo na cara. Devia ter feito isso? Claro que não. Voltaria atrás? Claro que sim. Mas o meu sentido de humor é escuro e o meu temperamento tem sido sempre volátil, por isso eu reagi. Eu reagi de uma forma ignorante. Assumo isso".

Percebe-se até aqui que o músico foi provocado, mas o centro da polémica esteve nas palavras que proferiu e que novamente se devem ao álcool, mais concretamente ao vinho branco: "A situação do vinho branco deveu-se a uma piada nos bastidores, após ter beijado o Doug Pinnick (dos King's X) nos lábios.

Publicidade

Ele disse-me: 'Uau, sabes bem!'. Porque eu estava a beber uma garrafa de vinho branco. Eu até brinquei com ele sobre isso - 'poder branco', ahahah. O engraçado nisso é que aquela sala em particular era apenas para certos artistas. As outras pessoas que faziam parte do Dimebash não tinham autorização para lá entrar. Eu acho que eles se sentiram desprezados ou, entre aspas, "ofendidos". Então, surgiu essa piada, e continuou mesmo após o incidente. O que ocorreu no palco foi uma extensão disso, mas também uma reacção firme àqueles filhos da mãe na frente, o que era exactamente aquilo que eles queriam". #Phil Anselmo #Música