São cada vez mais as pessoas que se interessam por descobrir as suas origens. De onde viemos? Quem foram os nossos antepassados? Estas são algumas das questões. Não é uma tarefa fácil obter informações: requer paciência, tempo, gosto e alguma sorte. A Blasting News revela-lhe as técnicas que deve seguir para o seu estudo. #História #Curiosidades

  • Informações orais - O primeiro passo é tentar obter mais informações junto dos seus pais e dos seus avós sobre a sua #Família. Procure obter datas de nascimento, naturalidade, nomes de antepassados. Este passo é muito importante, pois aumenta as hipóteses de sucesso para eventuais pesquisas documentais futuras. Outro dado importante: procure saber histórias da sua família. Será sempre um valioso complemento para a sua investigação.
  • Pesquisa de registos paroquiais - Hoje em dia, felizmente, já é possível consultar a maioria dos registos paroquiais portugueses (batismo, casamento, óbitos) na internet, de forma gratuita. Um dos mais completos é o site tombo.pt, um projeto individual, que não conta com qualquer apoio dos arquivos. É importante referir que os sites são atualizados constantemente, existindo assim novos registos digitalizados. Se pretender consultar os registos físicos, dependendo da região, normalmente encontra-os em arquivos, na conservatória. Por exemplo, se tiver conhecimento que as suas origens estão no distrito de Coimbra, pode investigar os vários livros de registos no arquivo da mítica Universidade de Coimbra, de forma gratuita. Se procura um registo posterior a 1911 (por vezes, em certas regiões, também poderá ter que tomar a mesma medida para a década 1900-1910), terá que solicitar essa informação à conservatória local, ou então na Loja do Cidadão. Eles procurarão o registo com base nos dados que forneceu. Se solicitar uma cópia simples do registo, pagará apenas entre 1€ a 4€.
  • Sites de partilha de árvores genealógicas- Outra ferramenta útil são os sites em que as pessoas constroem as suas árvores genealógicas, dando assim a conhecer as suas origens. Vale a pena investir algum tempo. Estes sites poderão facilitar a sua pesquisa. Existe sempre a possibilidade de descobrir algum antepassado comum.
  • Pesquisa de registos militares - Se desconfia ou sabe que teve algum familiar que cumpriu o serviço militar, poderá tentar ter acesso a algum documento. Basta saber o nome, a naturalidade e a data de batismo/ nascimento de um antepassado e poderá tentar consultar no site do Arquivo Histórico Militar. Contudo, vários dados ainda não estão disponíveis online e, como tal, é mais simples contactar por e-mail ou telefone, fornecendo os já referidos dados, solicitando uma cópia do registo (que tem preço inferior a 5€).
  • Testes de ADN - Segundo o site tombo.pt, "recomenda-se, uma vez que esteja disposto a fazer a sua análise genética, que realize os testes numa empresa que disponha de uma vasta base de dados que permita comparar o seu ADN com o de outros genealogistas e encontrar aqueles que partilham partes significativas consigo: os seus parentes afastados". A FamilyTreeDNA (FTDNA)1 é uma das entidades mais recomendadas para este tipo de testes. Regra geral, analisam o Cromossoma Y (que é herdado pelo lado paterno) e o M (herdado por via materna), conseguindo assim identificar as origens e os movimentos migratórios que os nossos antepassados mais remotos tiveram. Estes testes dificilmente custam menos do que 200€ (atenção, este é o preço para descobrir as origens do lado paterno ou materno. Se pretender conhecer as raízes dos dois lados, ficará pelo menos a 400€).