Para quem não o conhece, trata-se de um rapper/produtor do Porto que acabou de estrear a sua nova faixa, “Tu já Sabias”, (que pode ouvir no link de áudio deste artigo), que conta com a participação de Mundo Segundo (Dealema). Ele aceitou o convite e concedeu uma #Entrevista exclusiva à Blasting News.

Lançaste, recentemente, um tema novo intitulado “Tu já Sabias” com a participação do Mundo. Conta mais sobre como surgiu o contacto com ele e como foi a criação da faixa que, certamente, terá um lugar nos clássicos do Hip-Hop Tuga.

A "Tu já Sabias" é uma #Música que vai estar no novo disco, que fala da minha história no Hip-Hop.

Publicidade
Publicidade

Não podia deixar de contar o meu início, em que o Mundo e as festas do Hard Club de Gaia foram, com certeza, os maiores responsáveis por eu hoje fazer música. Tinha um beat que achava que era new school, mas ao mesmo tempo tinha aquele ambiente apropriado para contar essa história. Depois, foi só entrar em contacto com o Mundo, que ouviu e alinhou logo! Ele fala na perspectiva de quem começou este movimento e desde aí inspirou gerações inteiras, nas quais eu me incluo. Já eu, falo da perspectiva de quem estava na primeira fila a assistir e hoje também faz Rap. Falo também para os que hoje também estão na primeira fila e amanhã serão os novos rappers.

Toda a gente sabe que a vida de músico não é fácil e que o mercado nem sempre tem como factor essencial a qualidade e o conteúdo. Dito isto, quais são os motivos que te fizeram e fazem persistir na tua música?

Fazer música, nem que seja para mim, é algo mais forte que eu.

Publicidade

Nunca forcei, pelo contrário, sempre tentei não estar tanto tempo na música. Por isso, fazer disto vida era inevitável em algum momento e sempre acreditei que, quando me focasse, haveria um lugar no mercado para mim e para a minha música.

Numa sociedade padronizada e num mercado que nem sempre valoriza a “melhor” música, pergunto-me, o que irá na cabeça de um músico que pensa fora da caixa! De que forma é que o mercado te influencia e o que vem primeiro, a letra ou o instrumental?

O meu processo criativo é muito alheio ao que se passa no mercado musical. Normalmente, parte de um instrumental, feito digitalmente ou com uns acordes de guitarra. Crio o conceito e o tipo de letra que o instrumental me sugere, todos os arranjos para que o produto final pareça uma música que cole bem com a letra. Isso é o que me leva 90% do tempo na hora de criar. Dá-me prazer, mas é também uma maldição porque não me permite ser tão ágil e rápido como o mercado exige!

O tema “Taxi”, com a participação de Dino e Dj NelAssassin, ainda como Seada, foi um dos mais apreciados na altura e ficou como um dos clássicos da compilação “Best Off”. O que essa música significou para ti?

A "Taxi" foi mais um desafio para fazer uma nova música.

Publicidade

A minha única preocupação era não repetir a minha última música lançada (penso era a "Cartão de Visita"), porque não gosto de repetir receitas. Para além disso, vi como uma oportunidade de trabalhar com gente de quem eu gostava. Ligar ao Dino e ao NelAssassin, que eu admiro muito, e pôr em prática sonoridades e ambientes que eu tinha na cabeça foi fantástico. Na altura não esperava o feedback. Ainda hoje me falam dessa música!

A tua música "Verdade ou Consequência", com a Mariana, é a mais popular no YouTube. Conta mais sobre ela, por exemplo, o que te inspirou a fazê-la?

A "Verdade ou Consequência" foi uma música que tinha quase pronta há muito tempo e que retratava as minhas vivências da altura. Quando criei o João Pequeno e voltei a lançar temas, criei uma página de Facebook e fiz 2 ou 3 conteúdos para dinamizar aquilo. Convidei a Mariana para o refrão, gravámos a música. Postei na página e puff! As coisas correram tão bem que recebi algumas propostas por isso. Optei por não lançar mais nada durante um tempo e dedicar-me a fazer um álbum que contasse a minha vida no Hip-Hop. O disco acabou por demorar mais do que prevíamos mas já está pronto e brevemente estará aí.

#Rap Tuga