Cristóvão Colombo, o homem que julgava ter descoberto o caminho marítimo para a Índia, e que afinal encontrou a América, morreu com muitos segredos. Tido como um bom pai e irmão, determinado, este homem é sem dúvida uma figura enigmática. O maior segredo é a sua nacionalidade (algo que ele sempre procurou esconder, segundo consta, por causa das suas origens humildes, muito embora também seja dito que ele poderia ter origem judaica). Durante séculos acreditou-se sem grandes dúvidas que era genovês, mas nas últimas décadas outras hipóteses (entre as quais a sua eventual nacionalidade portuguesa) têm sido levantadas.

Publicidade

Explicamos agora resumidamente alguns dos mais relevantes argumentos e dúvidas que sustentam as teses da origem genovesa e portuguesa.

Publicidade

A escrita de Colombo...

Que se saiba, Cristóvão Colombo nunca redigiu nada em italiano. Escreveu em castelhano, com várias alusões meio aportuguesadas.

Colombo genovês?

Como foi referido anteriormente, esta é a tese oficial. Colombo terá nascido em Genóva e seria de uma família que ganhava a vida em negócios de lã e tecelagem. Esta teoria é suportada a partir de uma série de documentos. Uns deles são os registos notariais de Itália, designados de Atas Genovesas, que foram encontradas nos primeiros anos do século XIX. Nesses documentos fala-se de um tal Domenico Colombo e de uma Susana Fontanarubea, que teriam 5 filhos, sendo três deles Bartolomeo, Jacobo e Cristoforo. Para muitos historiadores, este Cristoforo era Cristóvão Colombo, e Bartolomeu e Jacobo seriam os seus irmãos Bartolomeu e Diego.

Para reforçar esta teoria, encontram-se ainda os nomes Fieschi e Del Porto, que são muito parecidos com Fiesco e Del Puerto, os companheiros de Colombo.

Publicidade

Também crónicas, como por exemplo do seu filho Hernando, ajudam a esta tese: "E porque não estava Colombo longe de Lisboa, onde ele sabia que havia muitos da sua nação genovesa, foi ali o mais depressa que pôde; sendo reconhecido por eles, receberam-no com muita cortesia. O bom acolhimento foi tal que montou casa naquela cidade e casou-se".

Colombo podia ser genovês..e não ser de Génova?!

Pode parecer confuso, mas na época em que Colombo viveu (séculos XV/XVI) era comum tratar qualquer italiano por genovês. Ou seja, ser tratado por genovês não queria exatamente dizer que fosse de Génova; podia ser de qualquer sítio de Itália.

Colombo português?

Recentemente, tem sido avançada a hipótese de #Cristovão Colombo ter nascido no Alentejo, em Cuba. Coincidência, ou não, a verdade é que, quando descobriu a ilha de Cuba, batizou aquelas terras com o mesmo nome da localidade portuguesa.

Com certeza absoluta, sabe-se que Colombo esteve em Portugal entre 1476 e 1485. Apresentou primeiro o seu projeto de navegação até à Índia ao rei D.

Publicidade

João II, um dos monarcas portugueses mais importantes da nossa história. D. João II rejeitou a ideia. Colombo mudou-se então para Castela, onde conseguiu os apoios pretendidos para as suas explorações. De acordo com o blog A Casa Do Conhecimento, recorrendo-se de um depoimento de um moço da câmara do rei, "Quando Colombo regressou à Europa, em 1493, veio com muita arrogância a Lisboa, (...) para provocar o arrependimento do Príncipe Perfeito, por este não ter financiado a sua viagem. Por pouco D. João II não o mandou executar, devido ao seu louco descaramento". Talve, fosse só encenação, de ambos..ou não. Pois outros especialistas (como Manuel Rosa) dizem que Colombo foi um agente secreto ao serviço de D. João II, que empatou os Reis Católicos.

Viveu em Portugal (em Lisboa e em Porto Santo) alguns anos e casou-se com D. Filipa Moniz Perestrelo, uma mulher de grandes famílias que era filha do capitão donatário de Porto Santo e tinha ligações a Nuno Alvares Pereira e Egas Moniz. Sabendo-se assim o poder familiar desta mulher, José Rodrigues dos Santos, na sua obra Codex 632, defende que Colombo só conseguiria este partido sendo um português, nobre, e mais; o nome Colombo não deveria ser o seu verdadeiro nome.

Também curioso é o fato de de as bulas papais que se referem à descoberta da América escreverem o nome do descobridor da seguinte maneira: Cristovão Colombo. O que há de estranho? O til, usado desta forma..só na escrita portuguesa! #História