A Blasting News continua a revelar a origem dos apelidos portugueses. Chegamos à letra C. Descubra como nasceu o seu apelido. Vamos começar mais uma viagem pelas nossas raízes. #Curiosidades

  • Cabral - Sabe-se que este apelido veio de Espanha. Pêro Anes Cabral, que foi Senhor de Portalegre e assumiu diferentes funções para o Infante Afonso III, terá sido o primeiro português a usar este apelido. Pedro Álvares Cabral, o homem que descobriu o Brasil, era tetraneto de Pêro Anes Cabral.
  • Campos - Não existem certezas, mas pensa-se que o primeiro português a utilizar este apelido terá sido D. Martinho de Campos. De acordo com as inquirições de D. Afonso III, Martinho de Campos era proprietário do Solar situado em Campos (em Vila do Prado). Os seus descendentes foram gente ilustre na região da Beira.
  • Cardoso - Sabe-se que já existiam pessoas com este apelido em 1170, mas é só no tempo de D. Afonso III que vemos este apelido passar de geração em geração. Todos os que tenham este apelido em Portugal nos nossos dias têm como antepassado Vasco Lourenço Cardoso. Manuel Sousa, em "As Origens das Famílias de Língua Portuguesa", menciona "a quem D. Fernando fez mercê da casa de Cardoso, em S. Martinho de Mouros".
  • Carvalhal - Este apelido deverá ter ligações ao sobrenome espanhol Carvajal. Prova disso é o Alcaide-mor de Almada, Pedro Álvares Carvalhal, que adaptou o apelido para português, esquecendo assim o sobrenome do seu pai (Carvajal).
  • Carvalho - Este apelido poderá ter surgido em Portugal por Domingo Feirol de Carvalho, que poderá ter fundado, em 1178, em Penacova, o morgado de Carvalho. Deixou descendentes.
  • Castelo Branco - Muito há a descobrir sobre este apelido. Martim de Castelo Branco terá sido o primeiro português que terá usado este apelido. Deverá ter criado um morgado de grande relevância em Castelo Branco. No século XIV foi um apelido muito associado a grandes cavaleiros.
  • Castro - Apelido que remonta "ao senhorio da vila de Castrogeriz, próximo de Burgos, usado pela #Família mais importante da Galiza. É esta uma das mais nobres linhagens de Portugal", conta Manuel Sousa em "As Origens das Famílias de Língua Portuguesa". Os Castros chegaram a Portugal no século XIV. É difícil saber quem foi a primeira Castro no nosso país, mas uma das primeiras, e a mais mediática, sem dúvida, foi Inês de Castro, que teve um romance proibido com D. Pedro I, deixando descendência. Uma #História que acabou em tragédia.
  • Coelho - É difícil ter certezas sobre a sua origem. Existem apenas lendas. Uma delas diz que os filhos do aio de D. Afonso Henriques, Riba Douro (que se casou com Mayor Paes), passaram a usar o sobrenome Coelho. Um dos supostos descendentes desta família foi Pêro Coelho, um dos envolvidos no assassinato de Inês de Castro, e que posteriormente foi morto a mando de D. Pedro I.
  • Correia - Terá sido no século XII que existiu o primeiro Correia português. Tratava-se do mestre da Ordem de Santiago, D. Paio Soares Correia. A sua família foi proprietária, em Braga, do Solar de Farelães e por isso ficou conhecida como a família dos Correia de Farelães.
  • Cortês - Alguns especialistas dizem que os portugueses com este apelido tiveram como antepassado o espanhol Fernão Cortês, o homem que dominou o México. No entanto, a maioria diz que, em Portugal, o apelido pode ter surgido devido a uma alcunha. O Cortês de Portugal mais antigo que se conhece remonta a 1220, em Miranda do Corvo. Chamava-se Manuel Lopes Caetano Cortês Serra e era capitão-mor do couto de Semide, das regiões da Lousã e de Serpins.
  • Costa - Gonçalo da Costa foi o primeiro português a ter este apelido. Viveu no século XII. A forma como o apelido nasceu no nosso país é discutível: sabe-se que existiu um grego em Portugal chamado Nikolau Kosta, mas também se coloca a hipótese de o apelido ter surgido na Quinta da Costa, em Guimarães.
  • Cunha - Este apelido parece ter sido inspirado na Quinta de Cunha Velha. O primeiro Cunha foi D. Fernão Pais de Cunha, um nobre senhor do século XIII.
  • Corte-Real - Vasco Anes Corte-Real terá sido o primeiro Corte-Real em Portugal. Viveu no século XV. De acordo com Manuel Sousa na obra "As Origens das Famílias de Língua Portuguesa", "dizem-nos alguns autores que Vasco Anes Corte-Real, criado e valido de D. Duarte, dele recebeu o apelido por ser muito agasalhador de pessoas (...) a corte era real quando lá se encontrava". Dos seus descendentes, alguns foram navegadores portugueses.