A Catalunha tem sido notícia nos últimos tempos. A independência nacional, desejo antigo e por várias vezes tentado, foi votada pelo parlamento regional catalão, que assim se auto-atribuiu poderes de representação nacional. E a polémica promete continuar. Ao contrário do que possa parecer, a Catalunha e Portugal têm imensos laços históricos. A Blasting News dá-lhe a conhecer algumas #Curiosidades, sobre esta relação.

História medieval: ligações dinásticas

Infantas aragonesas como rainhas de Portugal - D. Sancho I, segundo rei de Portugal, casou-se em 1175 com Dulce de Aragão. Foi o início de uma grande ligação real entre Portugal e Aragão.

Publicidade
Publicidade

A segunda rainha aragonesa foi D. Isabel, mais conhecida entre nós como Rainha Santa Isabel, uma das figuras mais marcantes da história de Portugal. Nasceu na cidade de Zaragoza, em 1270, filha do rei D. Pedro III de Aragão. Aos 12 anos, o seu casamento com D. Dinis foi feito por procuração, em Barcelona.

Outras princesas de Aragão que acabaram por se tornar rainhas consortes de Portugal foram (a outra) D. Isabel de Aragão, casada com o rei D. Duarte, e D. Maria e D. Isabel (ambas filhas de Fernando II de Aragão e Isabel de Castela), casadas com D. Manuel I.

A portuguesa que foi rainha de Aragão - Leonor de Aragão foi a única portuguesa que se tornou rainha do grande reino medieval do oriente da Península. Filha do rei D. Afonso IV e de Beatriz de Castela, foi casada com D. Pedro IV de Aragão.

Publicidade

Pedro de Coimbra, o Duque de Aragão - Filho do Duque de Coimbra (e também regente de Portugal), o Infante D. Pedro, e de Isabel de Urgel de Aragão, D. Pedro alcançou o título de Conde de Barcelona e de Valência.

Tempos atuais: Futebol

Barcelona FC - Vários jogadores portugueses e alguns atletas estrangeiros que atuaram em clubes nacionais já representaram o gigante clube, como Ricardo Quaresma, Fernando Couto, Vítor Baía, Simão Sabrosa, Robert Enke... mas apenas 2 alcançaram até hoje o estatuto de estrelas em Barcelona: Deco... e Figo (um nome que hoje, nenhum adepto do Barça gosta de recordar). Também houve atletas do Barcelona que acabaram por rumar a Portugal (Grimaldo no Benfica e Mathieu no Sporting, são os casos mais recentes).

Paco Fortes esteve 20 anos em Portugal. Natural de Barcelona, este catalão acabou por se tornar uma referência do Farense. Jogou os seus últimos 5 anos de carreira no histórico clube algarvio, nos anos 80, a que se seguiu uma carreira de treinador, estando as 9 primeiras épocas ligado ao Farense ( voltaria mais tarde já na década de 2000 ao clube, numa experiência que durou poucos meses) tendo passado por outros clubes, como a União de Lamas.

Publicidade

Existem ainda outros treinadores bem conhecidos que estão ligados a Portugal e à Catalunha. Bobby Robson, depois orientar de Sporting e FC Porto, assinou pelo Barcelona, e consigo levava um preparador físico que o acompanhou sempre em Portugal, chamado... José Mourinho. Depois desta passagem, Mourinho regressa a Portugal, para treinaro Benfica.

As Revoltas de 1640

Segundo o historiador Josep Sánchez Cervelló, a Catalunha deu uma ajuda para a restauração de independência de Portugal em relação a Espanha a 1 de dezembro de 1640. A revolta catalã, também conhecida como Guerra dels Segadors (trad. livre: "Guerra dos Ceifeiros") a 7 de Junho (dia de Corpo de Cristo) de 1640, que contou com o apoio da França, "ficou marcadas pela rebelião dos segadors catalães contra os representantes da monarquia espanhola. Mais de uma dezena de representantes de Madrid perdem a vida" , de acordo com o site da RTP. A Espanha, envolvida na guerra dos 30 anos, ganhou subitamente duas frentes de batalha no interior da Península Ibérica, e acabou por dar à prioridade à revolta catalã, deixando Portugal para uma segunda fase.

Nacionalistas catalães e Portugal como aliado

- O professor da Universidade de Lisboa, Sérgio Campos Matos, afirma que, no século XX vários nacionalistas catalães consideravam Portugal um aliado na autonomia castelhana em relação a Madrid. #História #Por onde anda...