Muitos povos passaram por Portugal (que ainda não era Portugal). Todos eles, uns de forma mais expressiva que outros, acabaram por nos deixar algum legado. Um estudo revelado em 2004 no International Journal of Legal Medicine afirmou que 70 a 80 por cento dos genes dos #portugueses vêm de antigas civilizações europeias. De seguida, damos a conhecer resumidamente algumas das principais heranças que as diferentes civilizações nos deixaram.

Gregos - como vestígios da sua presença deixaram a ânfora (uma das primeiras peças para armazenar mantimentos), vasos e moedas. Embora se considerem lendas, diz-se que Ulisses fundou Lisboa, e o filho deste, Abidis, fundou Santarém.

Publicidade
Publicidade

Fenícios - grandes conhecedores e conquistadores dos mares, provinham de Canaã (atualmente Líbano) e deixaram em Portugal o alfabeto (crê-se que eles tenham criado o alfabeto por 1200 a.C.) e também o azeite e o vinho. Infelizmente, em termos materiais e arquitetónicos temos poucos vestígios sobre este povo (o subsolo do claustro da Sé de Lisboa é um dos poucos exemplos).

Cartagineses - descendentes dos Fenícios, começaram a conservar o peixe a partir do sal. Terão sido eles a fundar Portimão e outras zonas algarvias, para então albergar comunidades de pescadores.

Suevos - segundo o historiador Dan Stanislawski, o norte de Portugal tem ainda fortes influências dos suevos. A caraterística mais evidente é a prevalência de pequenos terrenos rurais (o que contrasta com o sul de Portugal, onde se encontram mais latifúndios).

Publicidade

O arado quadrado e o espigueiro também foram deixados por este povo. Na toponímia, nomes como Freamunde ou Guilhofrei evocam origens germânicas.

Celtas - de acordo com o Público, "a festa do Pai Velho, na freguesia de Lindoso, uma festa rural que marca a despedida do Inverno, por altura do Carnaval, ou alguns topónimos locais, como o de terras da Nóbrega, que deu origem ao concelho de Ponte da Barca", são claras heranças dos celtas. Os investigadores também descobriram que a população do norte de Portugal, tal como na Galiza, tem uma forte herança genética dos celtas.

Visigodos - a pouca arte visigótica que ainda podemos admirar em Portugal está na ouriversaria e na arquitetura. No que diz respeito a edifícios, temos a Capela de S. Frutuoso de Montélios, perto de Braga, a Igreja de S. Pedro de Balsemão, nos arredores de Lamego, e a Igreja de S. Gião da Nazaré. Claros traços visigóticos presentes em alguns espaços são o arco de ferradura e a planta em forma de cruz das igrejas.

Também deixaram um importante trabalho na área jurídica.

Publicidade

Escreveram Liber judiciorum, uma obra que forneceu as bases do pensamento jurídico na era medieval na Península Ibérica. Também relevantes foram o Código de Eurico, a Lex romana visigothorum.

Romanos - é dos povos que mais heranças nos deixaram: o latim, a numeração romana, pontes, estradas, aquedutos e cidades (o mais famoso centro urbano romano é em Condeixa, onde existem as ruínas da antiga cidade romana, Conímbriga). A calçada portuguesa é também uma criação dos romanos. O vinho, o pão e o azeite eram muito admirados pelos romanos. A lei do mundo ocidental ainda hoje tem uma notória influência romana.

Judeus - até à época da Inquisição existiam muitos judeus em Portugal com grande influência na sociedade. Muitos judeus desempenharam um trabalho relevante para o sucesso das descobertas portuguesas nos séculos XV e XVI, trabalhando na áreas da matemática, de astronomia e de cartografia. Nesse sentido, desenvolveram grandes instrumentos científicos. Tomar e Coimbra são ainda cidades que apresentam alguns traços da arquitetura judaica do passado (como fontes). Já em plena época de perseguição, deixaram marca na gastronomia, com a famosa alheira de Mirandela (Trás-os-Montes).

Muçulmanos - a presença muçulmana em Portugal durou 500 anos, sendo assim natural que tenha deixado uma forte herança. Temos alguns bairros em Portugal que preservam o mesmo aspeto do tempo dos muçulmanos (como a Mouraria e Alfama), e a casa tradicional do Alentejo e Algarve (chaminés e açoteias) com o estilo muçulmano. Na agricultura, o tanque, a nora e os canais de rega foram invenções islâmicas. Trouxeram árvores/alimentos como a oliveira, limoeiro, laranjeiro, abóbora, cenoura, arroz e a figueira. Também nos doces há intervenção muçulmana: arroz doce, aletria, açúcar. No nosso atual vocabulário, quase todas as palavras que começam por Al têm origem muçulmana. #História #Curiosidades