O FC Porto venceu o jogo inaugural da Primeira Liga 2014/15 com dois golos sem resposta sobre o CS Marítimo. Os golos foram marcados por Rúben Neves (11 minutos) e Jackson Martinez (90+1 minutos). A partida foi dominada pela equipa da casa, que dá assim um passo psicológico importante, em dia de estreia de novo treinador e de vários novos jogadores. Do lado da equipa do Funchal, também estreando novo treinador (Leonel Pontes) e vários reforços, o teste não foi inteiramente negativo, mas de facto insuficiente para os dragões. Não se deu pela arbitragem de Carlos Xistra - o que significa um bom trabalho.

Para Ruben Neves, foi uma estreia inesquecível.

Publicidade
Publicidade

Com apenas 17 anos, além de ser o mais jovem de sempre a jogar como titular no FC Porto, é também um dos mais jovens de sempre a marcar, e logo na sua estreia. Foi uma das várias boas apostas no novo treinador basco dos portistas, Julen Lopetegui.

Para Jackson Martínez, foi também uma boa forma de começar à época. O mexicano chegou ao Dragão seguramente com intenção de o utilizar como trampolim para voos europeus mais altos, e viu a sua carreira dar um salto atrás no ano anterior, dada a má performance colectiva. Estará certamente mais animado depois deste jogo.

Mais do que o resultado, a exibição vem tranquilizar os adeptos portistas, cansados de ver a sua equipa sofrer para sequer dominar o jogo e controlar a bola. O FC Porto foi claramente superior na primeira meia-hora, e apesar de os madeirenses terem ameaçado o empate até ao intervalo, a equipa de Lopetegui não perdeu a compostura.

Publicidade

Na segunda parte, os da casa continuaram a controlar o jogo, sempre com bastante posse de bola, e foi com naturalidade que o segundo golo chegou mesmo no final, colocando justiça no resultado.

Lopetegui colocou Ruben Neves, Óliver Torres, Brahimi, e ainda as substituições de Casemiro, Tello e Evandro - uma casa cheia de novidades que se revelaram acertadas. Sem esquecer a comprovada qualidade de Quaresma e Jackson, ambos em plena forma. Mais que isso, uma equipa com inteligência, serena e eficaz, que pecou apenas por não conseguir "matar" o jogo mais cedo - poderia tê-lo feito ainda durante a primeira parte.