No jogo grande desta eliminatória da Taça de Portugal em futebol, o Sporting de Braga venceu o rival Vitória de Guimarães por 2-1. Além de ser um jogo entre duas equipas próximas e rivais, sendo as que surgem em 4º e 5º em número de sócios, e entre duas equipas que aspiram a ser o "quarto grande." Foi também o jogo entre o 2º e o 5º classificados da Primeira Liga, entre um Braga que tem habituado os adeptos do futebol a prestações consistentes nos lugares da frente, nos últimos anos, e um Guimarães que está em 2º lugar, a dois pontos do SL Benfica - a posição que o Braga quereria para si. Jogo também entre duas equipas que já venceram a Taça de Portugal e que sonham repetir a proeza. 

O jogo começou em rotação alta, com um remate à baliza para cada lado nos primeiros minutos, e assim continuou. A jogar em casa, o Vitória de Guimarães assumiu as despesas da partida, mas sem que o Sp. Braga se deixasse abater. A partida continuou desta forma, até que aos 39 minutos Rafa Silva inaugurou o marcador para os visitantes, num golo de belo efeito. E logo dois minutos depois, um balde de água fria para os vitorianos com Pardo a elevar a contagem para 2-0 que se registou ao intervalo.

O Guimarães não desistiu e veio com ânimo para a segunda parte, consciente de que o resultado não traduzia o equilíbrio que se havia verificado entre as duas equipas. As oportunidades continuavam a surgir para ambos os lados, mas só aos 71 minutos os da casa conseguiram reduzir, através de grande penalidade convertida por André André, na sequência de um lance que deu vcartão vermelho para Marcelo Goiano. 

Com o Braga a jogar com menos 1 e com só 1 golo de vantagem, o jogo estava totalmente relançado. O treinador dos bracarenses, Sérgio Conceição, tirou Éder por um defesa e fez entrar Salvador Agra e Pedro Santos, com a mensagem clara: defender o resultado e apostar no contra-ataque para assustar e tentar o 3-1. O Vitória continuou a crescer, mas não teve capacidade para concretizar e viu-se assim eliminado da Taça. Nesta que foi uma verdadeira final antecipada, mesmo sem nenhum dos três "grandes."