Há um ano, no dia 29 de Dezembro de 2013, os amantes do desporto motorizado ficaram em estado de choque com a notícia do trágico acidente sofrido por Michael Schumacher nas pistas de esqui de Meribel, nos Alpes franceses. Desde então, o mundo demonstrou o seu apoio ao campeão do mundo de Fórmula 1 e a toda a família. Na véspera do aniversário do acidente, a Ferrari, equipa pela qual o alemão mais brilhou, emitiu um comunicado dando força ao piloto. "Ao longo dos anos, a grande destreza e as numerosas vitórias do Michael foram a prova da sua força e da sua incrível determinação. Nesses anos, ganhou um lugar especial na história da Scuderia e, particularmente, no coração dos seus fãs.

Publicidade
Publicidade

Agora, 12 meses depois daquele terrível dia, a Ferrari e os seus seguidores continuam a mostrar o seu apoio ao piloto, à sua mulher Corinna e à restante família, instando-o a continuar a progredir no longo caminho até à recuperação", refere o texto.

Recorde-se que Schumacher deixou o hospital de Lausanne, na Suíça, em Setembro, nove meses após o acidente. "Tendo em conta as lesões que sofreu, houve grande progresso nas últimas semanas e meses", disse, na altura, o manager do piloto, acrescentando que o sete vezes campeão do mundo tinha ainda "um longo e difícil caminho a percorrer". Jean-François Payen, um dos médicos que tratou Schumacher no hospital de Grenoble (onde o piloto esteve inicialmente internado, antes de ser transferido para Lausanne), disse que a recuperação do ídolo alemão poderá demorar anos.

Publicidade

"Notámos algum progresso, mas diria que temos de dar-lhe tempo", afirmou. "Estamos numa escala de tempo de dois ou três anos, por isso é preciso paciência", acrescentou.

Mais recentemente, um amigo descreveu o estado de saúde do corredor germânico. "Tal como eu, está numa cadeira-de-rodas, paralisado. Tem problemas de memória e de fala", disse Philippe Streiff, antigo piloto de Fórmula que se encontra, também ele, numa cadeira-de-rodas, devido a um acidente. No entanto, uma porta-voz de Schumacher não confirmou estas informações, dizendo que os comentários de Streiff eram apenas "as suas opiniões".

Retirado desde 2012, Michael Schumacher continua a deter os principais recordes da Fórmula 1: mais campeonatos do mundo (sete), mais vitórias em grandes prémios (91), mais pole positions (68) e mais pódios (155). É, para muitos, o melhor piloto de todos os tempos. #Automobilismo