Faltam cerca de três semanas para o arranque da mais espetacular prova de motores de todo o Mundo! O rali Dakar. Em mais uma edição no continente da América do Sul, é a 4 de Janeiro em Buenos Aires que vai começar uma maratona que irá durar 14 dias, num total de 4600 quilómetros cronometrados. Já com 414 veículos inscritos para a partida na Argentina, merece nota de destaque o regresso da francesa Peugeot que vai marcar presença nos automóveis, uma marca que foi rainha entre 1987 e 1990, no qual os finlandeses Ari Vatanen e Kankkunen dominavam a seu belo prazer.

Em 2015, a marca do leão vai ter ao volante o onze vezes campeão do Dakar (motos e carros), Stéphane Peterhansel, do espanhol Carlos Sainz (venceu em 2010) e de Cyril Despres.

Publicidade
Publicidade

Esta é sem dúvida uma grande aposta da Peugeot que quer fazer frente à Mini que venceu nas últimas três edições e que conta com Nani Roma para voltar a fazer a festa em tons germânicos. Já as cores lusas vão estar representadas à cabeça pelo já veterano Carlos Souza ao volante de um Mitsubishi. Ainda nas quatro rodas e com as quinas ao peito vão estar Ricardo Leal dos Santos (um regresso), e ainda Filipe Gameiro e Vítor Jesus.

Como já vem sendo costume a presença portuguesa é bem mais alargada nas motos onde Hélder Rodrigues (terceiro lugar em 2011 e 2012) em Honda, Paulo Rodrigues (Honda), Ruben Faria (KTM) são sempre candidatos aos 10 primeiros classificados. Também Mário Patrão (Suzuki) vai tentar fazer boa figura, numa competição na qual o campeão em título Marc Coma (KTM) e o Joan Barreda (Honda) se apresentam como os principais favoritos à vitória, não colocando de parte, claro está, uma surpresa lusa.

Publicidade

Também nos camiões haverão portugueses, com Pedro Velosa (Iveco) e José Martins (Renault) vão estar nos "pesos pesados" deste rali que volta a ter em Karginov (Kamaz) o maior candidato ao triunfo.

Num ano em que se voltou a falar na ténue hipótese do Dakar voltar às origens (África), os motores já começam a aquecer na Argentina, num rali que vai passar também pelo Chile e pela Bolívia, mas que vai terminar 14 dias depois no ponto de partida, Buenos Aires. #Automobilismo