Desde o primeiro dia em que Bruno de Carvalho surgiu como candidato derrotado, que a vida do #Sporting Clube de Portugal (SCP) nunca mais foi a mesma. A passagem de opositor crítico a presidente ditador foi um pequeno passo. É de conhecimento comum que o mundo do futebol é um lago cheio de tubarões e novo presidente do SCP desde cedo que se atirou de cabeça sem delinear qualquer estratégia, o que não se está a revelar boa opção. Agora iniciou também um conjunto de guerras internas com o treinador por si escolhido, jogadores por si contratados e restante direcção. Será que conseguirá abrir o para-quedas a tempo nesta queda livre?

Bruno de Carvalho tem marcado a actualidade do futebol português, mas não se pode dizer que seja pelo lado positivo.

Publicidade
Publicidade

As suas atitudes de "menino" irreverente tornam-se chacota um pouco por todo o país, até mesmo nos próprios adeptos do SCP, que já não conseguem aguentar tudo isto. Foram declaradas guerras com os seus rivais através de comunicados oficiais ou indirectas nas redes sociais; parece que ter uma postura formal e cordial não são características suas. As críticas à Liga de Clubes foram muitas desde que tomou posse, mas na hora de votar, o SCP votou a favor da reeleição de Mário Figueiredo com mais seis clubes. Por sorte os restantes membros da Liga conseguiram demitir Mário Figueiredo, que destruiu por completo as contas da Liga.

Ao ser anunciado Luís Duque como candidato para liderar a Liga, o SCP voltou a estar contra. É algo de muito estranho se nos lembrarmos que a pessoa em questão já esteve ligada ao SCP enquanto dirigente.

Publicidade

Uma vez mais, Bruno de Carvalho demonstra que está sempre contra tudo. Agora as suas guerras passaram a um nível superior, pois até os jogadores e o treinador que contratou já são seus inimigos. Criticar os jogadores na comunicação social nunca foi boa solução, tenha ou não razão. Se existem problemas, faltas de empenho, desleixo, é no balneário que o presidente os tem de reunir e chamar à razão. Esta situação repetiu-se várias vezes e sempre que o SCP tinha um deslize, lá vinha um comentário menos agradável sobre os jogadores, equipas de arbitragem e até os seus rivais. A culpa é sempre de todos, menos da gestão miserável que é feita internamente.

Em suma, conseguiu destruir a tentativa de construção de uma equipa sólida, está em 5º lugar do campeonato, não passou à segunda fase da Liga dos Campeões e a Taça de Portugal pode ser a salvação da época. Despedir ou não despedir o treinador, neste momento já passou a ser indiferente, pois a ruptura entre ambos é evidente. Mesmo que Marco Silva termine a época, já se está a ver que não irá fazer a próxima e dessa forma, para além da actual época estar quase perdida na tentativa de ser campeão, a preparação da próxima está desde já limitada. Será que o presidente do SCP consegue perceber que talvez não seja o mundo que está contra ele, mas sim ele que está contra mundo, com uma postura ditatorial que está a afundar um clube?