Lassana Camará, 22 anos, é um dos muitos casos em que as expectativas salariais (surreais?) fizeram com que o talento de um futebolista de nível mundial fosse "apagado". Médio centro, deu nas vistas nas camadas jovens do #Benfica, onde chegou a ser visto como um jogador de futuro. Saído da mesma "fornada" de Roderick Miranda, Mário Rui, Danilo Pereira, Nelson Oliveira ou Francisco Júnior, Saná, como é conhecido no Mundo do #Futebol, foi um dos indiscutíveis na selecção de Ilídio Vale. Esta chegou à final do Campeonato do Mundo de 2011 na Colômbia. E Portugal caiu apenas aos pés do Brasil na final, onde brilhou um tal de Óscar, actualmente no Chelsea de José Mourinho.


Já sem ligação contratual com o Benfica, e após ter-se destacado pela Selecção, muitas foram as propostas que surgiram, mas Saná deu o passo que pode ter destruído a sua carreira: assinar pelos espanhóis do Valladolid, na altura a militar na segunda liga. O sonho de chegar à primeira divisão de Nuestros Hermanos passou rapidamente a pesadelo, e Saná chegou a ter de pedir auxílio ao Sindicato dos Jogadores para pagar a renda de um quarto. Afastado da actividade do clube, o médio nascido em Bissau tentou de todas as formas desvincular-se do Valladolid, algo que só em Setembro último aconteceu.


Neste hiato, longo hiato, Saná treinou-se na Académica, nos brasileiros do Botafogo Sport Club de Salvador e até nos romenos do Poli Timisoara, mas os problemas burocráticos com o Valladolid levaram sempre a melhor, e Saná esteve sem competir desde novembro de 2011, na altura frente ao Cartagena, no qual jogou quatro minutos. Presentemente, quase três anos depois, e já sem as "amarras" do contrato do clube espanhol, Saná viu o Sporting de Braga "estender-lhe" a mão com um acordo de uma temporada na equipa B, onde o agora internacional A pela Guiné-Bissau está a tentar regressar a um mundo para o qual tinha as portas abertas, mas onde mais uma vez, o poder do dinheiro e dos contratos "surreais" desviaram um talento do seu caminho natural.