Quando aos nove anos o pequeno Gabriel enfrentou pela primeira vez as ondas de Maresias, cidade de onde é natural, no Litoral de São Paulo, poucos adivinhariam o que estaria para acontecer cerca de onze anos depois. Sagrar-se campeão do Mundo de surf. Depois de se ter tornado o mais jovem a integrar a elite mundial com 17 anos, na qual foi também o mais novo a vencer uma etapa. O brasileiro é agora, em igualdade com Kelly Slater, o campeão mundial de surf de sempre com menos idade.

O trajecto de Medina foi meteórico mas consistente e surpreende só os mais desatentos porque o próprio Slater, lenda vida do surf e onze vezes (!) campeão mundial, já vaticinava em 2011 um futuro grandioso para o brasileiro: "Ele (Medina) vai vencer tudo e todos nos próximos 20 anos".

Publicidade
Publicidade

Os sinais eram claros, e estavam à vista de todos, Gabriel Medina "apareceu" em 2009 como um mero desconhecido na Praia Mole, e foi chegar, surfar e triunfar, tornando-se no mais novo a vencer uma etapa mundial do WQS. Era apenas o princípio do "fenómeno Medina". A partir daí o brasileiro venceu três etapas da divisão de acesso ao WTC, garantindo a entrada na elite mundial, onde só competem 36 surfistas, um lote reduzido e Gabriel Medina estava lá.

Competitivo por natureza, o jovem paulista soube ouvir as críticas que apontavam a desconcentração como o sendo o seu ponto fraco. Medina melhorou esse aspecto e agora uma das suas "imagens de marca" é o já ritual de entrada na água, onde o brasileiro olha o mar durante longos minutos antes de encarar as ondas, conseguindo-se alhear de todo o frenesim que se cria à sua volta.

Publicidade

Natural de Maresias, a "Meca do surf brasileiro", devido aos seus grandes tubos, Gabriel Medina é especialista nesta manobra-símbolo do surf, sendo habitual executar várias manobras aéreas, característica essa que lhe valeu a alcunha de Da freak kid, em português "miúdo doido", não só pela sua tenra idade mas também pela espetacularidade e perigosidade que emprega no seu surf. Este mesmo brilhantismo foi inclusive decisivo na conquista do título em Pipeline no Havai.

A um dia de fazer 21 anos (22 de Dezembro) Gabriel Medina é cada vez mais visto como um exemplo e um ícone para os jovens brasileiros. Com uma imagem de fazer inveja a muitos, 1,80 metros, 70 kg, corpo definido e um bronze habitual de surfista, o jovem paulista ganha cada vez maior destaque no seu País, tendo cada vez mais patrocinadores "loucos" em associar-se à sua pessoa. Medina é actualmente o segundo desportista brasileiro com mais sponsors individuais. Apenas Neymar, futebolista do Barcelona o "vence".

A cumprir a quarta temporada na elite mundial do surf, Gabriel conseguiu vencer na derradeira etapa no Havai, Mick Fanning (campeão de 2013) carimbando de forma absoluta o seu nome na galeria dos campeões, na qual, dos 38 campeonatos mundiais disputados, 35 tinham sido conquistados por americanos e australianos.

Publicidade

Agora consta o nome de um brasileiro.

"Medina é o homem mais perigoso do Mundo do Surf. Ele consegue vencer em ondas e condições nas quais não tem muita experiência e ninguém sabe o que esperar dele. Sou um grande fã do surf dele, ele é um miúdo muito "boa onda", disse Kelly Slater, que tem mais anos de surf (22) do que Gabriel de vida, mas é aos 20 anos (quase 21) que Medina, o "Miúdo Doido" tem as ondas e o Mundo a seus pés.