O presidente da UEFA, Michel Platini, propôs, neste domingo durante um congresso de desporto no Dubai, a introdução de um cartão branco nos jogos de #Futebol. Esta medida, já sugerida há cerca de dois meses, tem como objetivo penalizar um jogador com dez minutos de suspensão durante a partida. Platini volta a insistir numa proposta que já foi rejeitada pela FIFA. No passado mês de outubro, o presidente do organismo máximo do futebol mundial, Joseph Blatter, não quis avançar com a ideia por entender que seria uma "mudança radical".

De acordo com Platini, o cartão branco teria como objetivo "penalizar protestos e encenações dos jogadores", pois são atitudes que "os adeptos não aceitam".

Publicidade
Publicidade

Acrescentar este novo cartão nos bolsos dos árbitros não significa que os outros desapareçam. "O cartão amarelo vai continuar a existir", afirmou o presidente da UEFA, que foi recentemente ignorado por Cristiano Ronaldo. Segundo Platini, esta nova admoestação é uma boa maneira de "promover o jogo entre os adeptos" que não gostam deste tipo de atitudes. Este cartão seria utilizado em situações de simulações de faltas, protestos e aplausos aos juízes das partidas e daria um castigo imediato aos jogadores, sem existir uma suspensão em jogos posteriores. Isto implicaria naturalmente a saída do relvado entre cinco a dez minutos. Para o antigo internacional francês, agora no comando do organismo máximo do futebol europeu, seria uma forma de "aprender com outros desportos, tal como o rugby", que também utiliza um sistema idêntico.

Publicidade

Depois de a ideia já ter sido rejeitada em outubro passado por Blatter, Platini não temeu lançar novamente o debate sobre um dos seus desejos para o futebol e afirmou que "agora só falta convencer a FIFA". Nessa mesma conferência no Dubai estava presente o chefe da comissão de arbitragem da UEFA, o antigo árbitro italiano Pierluigi Collina, que teceu alguns comentários sobre a possível introdução desta nova medida. Collina disse que são necessárias "regras simples", de forma a permitir que o futebol continue a chegar facilmente a um público amplo.