Arrancou com o pé direito a missão de Tomaz Morais, novo director técnico das selecções de râguebi nacionais, depois de os Lobos terem vencido, no passado dia 22, a Namíbia por 29-20. Frente à segunda melhor equipa africana (atrás da África do Sul), as novidades começaram na convocatória, que contou com apenas cinco "sobreviventes" relativamente à última partida frente à Espanha, que teve lugar em março. Com o também estreante João Luís Pinto, ex-seleccionador sub-19 e agora timoneiro dos Lobos, o confronto com a Namíbia já deu sinais positivos, mas ainda ténues, do que Morais pretende para o râguebi português: agressividade a defender, onde todos "lutam" pela vitória.

Perante um projecto ambicioso, que visa a preparação do Campeonato do Mundo no Japão, em 2019, Tomaz Morais tem consciência que o trabalho é árduo.

Publicidade
Publicidade

No entanto, conhece melhor do que ninguém a realidade do râguebi português e, sem nunca embandeirar em arco, vai trabalhar em conjunto com os técnicos nacionais para que seja possível repetir o feito histórico de estar presente num Mundial. Com os jogos "a sério" marcados para fevereiro e março, no Torneio Europeu das Nações, Portugal é agora 22º do ranking Mundial, tendo passado precisamente a Namíbia.

Já na vertente de sevens, Portugal continua em competição até bem perto do fim do ano. Depois do 11º lugar na primeira etapa na Austrália, o combinado luso repetiu a mesma classificação no Dubai, depois de vencer o Brasil nos quartos-de-final, e de ser derrotado por Samoa. Com este resultado os Lobos arrecadaram importantes cinco pontos de forma a garantir o estatuto de equipa residente na próxima época.

Publicidade

A equipa lusa volta a entrar em campo já no fim de semana de 13 e 14 de dezembro na África do Sul, em pleno Nelson Mandela Bay Stadium. Será caso para dizer que é com a moral de Tomaz Morais que os Lobos vão atacar os postes, tendo a luz dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro bem lá no fundo. Convém não esquecer que esta Selecção Nacional de Sevens pode ser a única modalidade amadora coletiva a representar Portugal na maior competição desportiva do planeta.