O San Lorenzo pressionou e a FIFA cedeu. Pedro Proença não vai mesmo apitar a final do Mundial de Clubes, este sábado, em Marrocos. O guatemalteco Walter López substitui o português. Poderá ser um fim de carreira inglório para o melhor árbitro do nosso país.

A FIFA havia nomeado o internacional português para a final da competição, que enfrenta o Real Madrid ao San Lorenzo, como uma forma de homenagear a carreira de Proença, que este ano "arruma o apito". Contudo, nunca explicou como iria contornar o facto de os seus próprios regulamentos o impedirem, uma vez que estes preveem que o juiz deva ser de uma confederação diferente das que estão representadas na partida decisiva.

Publicidade
Publicidade

Foi precisamente por aí que o clube argentino pegou. "Todos conhecemos a capacidade de lóbi do Real Madrid, mas seria um erro se a FIFA escutasse apenas o Madrid. O normal é que o árbitro seja de um continente neutro, não português", afirmou o presidente Matías Lemens. Após estas declarações, o comité executivo da FIFA reuniu e decidiu que seria Walter López, inicialmente escalado para o jogo de terceiro e quarto lugar, a apitar a final. Proença irá ocupar o lugar do guatemalteco no referido jogo.

López era o preferido pelo San Lorenzo. Em Espanha, o chileno Eduardo Osses era apontado como a segunda escolha do Real Madrid, mas tinha o mesmo problema que Proença: pertencia a umas confederações representadas na final, neste caso a sul-americana. Walter López Castellanos, engenheiro de 34 anos, é árbitro internacional FIFA desde 2006.

Publicidade

Dirigiu o primeiro encontro deste Mundial de Clubes e é presença habitual na Liga dos Campeões da CONCACAF, na Taça de Ouro e nas partidas de selecções na sua zona.

A Associação Portuguesa de Árbitros de #Futebol (APAF) já reagiu a esta decisão, em declarações à TSF. "Ficámos tristes com o que se estava a passar e tudo fizemos para se não ir avante com essa mudança [de árbitro], mas quem manda é a FIFA", disse Fontelas Gomes. Recorde-se que Pedro Proença já havia dito publicamente que era o seu sonho apitar a final do Mundial de Clubes antes de terminar a carreira. É um fim de ciclo inglório para ele.