O futebolista francês Thierry Henry anunciou, esta terça-feira, nas redes sociais, que vai pendurar as botas. Ao longo da carreira de duas décadas, Henry, de 37 anos de idade, representou clubes como Mónaco, Juventus, Arsenal, Barcelona e, mais recentemente, New York Red Bulls. Internacional pela selecção principal da França desde 1997 a 2010, o avançado natural de Les Ulis apontou 51 golos em 123 encontros disputados. Em nota publicada na sua conta oficial de Facebook, Thierry Henry fez questão de agradecer aos adeptos e companheiros de equipa dos clubes que representou, sem esquecer também a selecção do seu país.

O francês sublinha ainda que os anos vividos nos relvados foram "uma experiência maravilhosa", mas que agora é tempo de seguir em frente.

Publicidade
Publicidade

E será em Londres, cidade em que viveu durante vários anos, que Henry iniciará novas funções, ao tornar-se comentador desportivo da estação televisiva Sky Sports. Para a história fica uma carreira dourada, que teve como ponto alto a conquista do campeonato do mundo de #Futebol de 1998, em França, o Europeu de 2000, na Bélgica e Holanda, e ainda a Taça das Confederações de 2003.

A nível de clubes, Henry sagrou-se campeão pelo Mónaco (1996/97) e venceu ainda a Supertaça de França (1997); no Arsenal, instituição que representou durante mais anos, o avançado francês arrecadou dois campeonatos ingleses (2001/02 e 2003/04), três Taças de Inglaterra (2001/02, 2002/03 e 2004/05) e duas Supertaças inglesas (2002 e 2004); no Barcelona, Henry continuou a somar troféus, ao vencer dois campeonatos de Espanha (2008/09 e 2009/10), uma Taça do Rei (2008/09), uma Supertaça de Espanha (2009) e uma Liga dos Campeões (2008/09); nos norte-americanos do New York Red Bulls, último clube que defendeu, o gaulês conquistou a fase regular do campeonato daquele país.

Publicidade

A título individual, Thierry Henry pode orgulhar-se de ter sido Bota de Ouro da UEFA em duas ocasiões (2004 e 2005), jogador francês do ano por cinco vezes (2001, 2002, 2003, 2004 e 2006) e por duas vezes segundo melhor jogador do mundo (2003 e 2004), entre outros vários prémios.