O antigo avançado do Arsenal e da selecção francesa, Thierry Henry, anunciou a sua retirada do #Futebol após uma carreira de 20 anos. O vencedor do Campeonato do Mundo de 1998, e melhor marcador da história do Arsenal, deixou o New York Red Bulls este mês, mas havia ainda alguma especulação sobre a possibilidade de vir ainda a jogar por outro clube. Hipótese esta terça-feira desmentida pelo internacional gaulês. "Após 20 anos, decidi retirar-me do futebol profissional", escreveu na sua página de Facebook.

"Foi uma viagem incrível e quero agradecer a todos os adeptos, colegas e indivíduos envolvidos no AS Mónaco, Juventus, Arsenal FC, FC Barcelona, New York Red Bulls e, claro, da selecção nacional francesa, por terem tornado a minha passagem pelo futebol tão especial", acrescentou.

Publicidade
Publicidade

"Tenho algumas memórias fantásticas (a maioria boas!) e uma experiência maravilhosa. Espero que tenham gostado tanto de me ver como eu gostei de jogar. Vemo-nos do outro lado", concluiu.

Aos 37 anos, Henry anunciou ainda o novo passo da sua carreira: vai regressar a Londres para ser comentador da Sky Sports. Será a sua segunda experiência na televisão, depois de ter comentado as partidas do Mundial 2014 para a BBC.

Antes da experiência do outro lado do Atlântico, o avançado jogou nos principais campeonatos europeus (Inglaterra, Espanha, Itália, França), mas foi, sem dúvida, em terras de sua majestade que deixou a maior marca: apontou 175 golos na Premier League, sendo o quarto melhor marcador na história da competição, que conquistou por duas vezes com o Arsenal. Ao serviço dos gunners - entre 1999 e 2007 - venceu ainda três Taças de Inglaterra.

Publicidade

A estes títulos, somou uma Liga Dos Campões, ganha quando defendia as cores do Barcelona, em 2009.

Acabaria por regressar ao Arsenal em 2012 para um curto empréstimo de apenas quatro jogos, e voltou a ser decisivo: apontou o golo da vitória contra o Leeds numa eliminatória da Taça. Henry estreou-se pelo Mónaco em 1994 e ajudou o clube a ganhar o campeonato em 1997. Em 1998, viu no banco como os seus companheiros bateram o Brasil por 3-0 na final do Mundial, mas em 2000 marcou três golos no Europeu ganho pelos Bleus.