Mais uma etapa e mais um excelente resultado para o trio composto por Elisabete Jacinto, José Teixeira Marques e Marco Cochinho, depois de o MAN TGS ter terminado os 342,07 quilómetros em quinto lugar entre carros e camiões. Nos "pesos-pesados" deste rali foram mesmo os terceiros classificados, ultrapassados apenas pelos Kamaz. No entanto, o camião luso voltou a andar na frente, mas acabou por ultrapassado. Este bom resultado vem na sequência da recuperação que parece não ter fim, e agora o 10º lugar (impensável há algumas há algumas etapas) está cada vez mais perto.

Depois de mais uma difícil e cansativa etapa, Elisabete Jacinto fez o já habitual balanço da tirada, no qual reforçou a satisfação pela prestação nesta 10ª especial da África Eco Race: "Hoje foi mais uma etapa difícil e cansativa. Ou íamos a fundo super-concentrados a tentar segurar o camião, ou a 10 km/h sempre a estrebuchar e a dar voltas ao volante, ou em stress a atravessar dunas difíceis de areia mole e com um traçado complicado. Depois, enquanto o Kamaz 404 fazia uma manobra, nós passámos para a frente. O Kamaz 400 parou para esperar pelo colega de equipa e nós passámos para a frente! Confesso que ia com falta de ar, mas feliz. Quando chegámos a uma nota que dizia "esses entre dunas" deparámo-nos com areia mole muito difícil de passar. Demorámos algum tempo a encontrar a pista certa e os Kamaz passaram para a frente. Acabámos por fazer um resultado excelente, porque todos tiveram dificuldades", relatou a piloto portuguesa à sua assessoria de imprensa.

Publicidade
Publicidade

Com este 5º lugar na especial, o camião da equipa Oleoban está agora no 11º da geral combinada entre carros e camiões, a "somente" 1h09m do 10º classificado, o polaco Pawel Molgo. Já nas motos, boas notícias para a dupla portuguesa que voltou a aparecer nas classificações. Apesar de ter averbado mais algum tempo de penalização, Pedro Ribeiro e Sérgio Castro terminaram respectivamente em 18º e 19º a etapa, a quase 19 horas de distância do vencedor. No final da tirada, Pedro Ribeiro admitiu que a quebra física está a ter efeitos no desempenho dos motards: "Chega um momento em que por grande que seja o "querer", o corpo não corresponde. Depois de fazermos 8 quilómetros de dunas de areia muito fina e sob sol abrasador, quebrei. Já estou recuperado e a prosseguir com o nosso caminho até Dakar" afirmou nas redes sociais.

Publicidade

Este sábado esta África Eco Race despede-se da Mauritânia a caminho do Senegal com uma etapa de 202 quilómetros cronometrados entre Toueila e Saint Louis, onde mais uma vez as altas temperaturas, aliadas às dunas, vão marcar o penúltimo dia rumo a Dakar. #Automobilismo