As areias do deserto entre Assa e As Sakn em Marrocos foram madrastas para a tripla portuguesa composta por Elisabete Jacinto, José Teixeira Marques e Marco Cochinho. O problema surgiu após o primeiro posto de controlo (CP), com o apoio dos amortecedores do MAN TGS partir-se, o que obrigou a equipa lusa a ter de acabar a etapa por estrada. Tal originou uma penalização de oito horas. Num balanço ao dia negro que viveu nesta África Eco Race, Elisabete Jacinto assumiu que a classificação geral está condenada.

Elisabete garante que amanhã vai partir para a 5.ª etapa e promete que vai andar na frente: "Este problema obrigou-nos a abandonar o percurso e a vir por estrada.

Publicidade
Publicidade

Vamos ter várias horas de penalização o que condena a nossa classificação no rali, mas amanhã vamos estar à partida prontos para andar o máximo!". Dadas as oito horas de penalização, o camião da equipa Oleoban acabou esta 4.ª etapa na 34.ª posição com um tempo de 17h28m. Com este resultado, Elisabete Jacinto desceu de 4.º para 7.º na geral dos camiões, estando agora no 25.º da geral combinada carros/camiões, que é agora liderada pelos checos Zapletal e Boba que venceram a especial e assim tiraram os cazaques Sazonov e Sakhimov do primeiro lugar. Já nas motos os portugueses Pedro Ribeiro e Sérgio Castro terminaram a etapa a 2h25 do vencedor Pal Anders Ullevalseter. A dupla portuguesa subiu um lugar na geral, sendo agora 21.º e 22.º respectivamente.

A 5.ª etapa desta África Eco Race corre-se amanhã e tem um total de 757 quilómetros, dos quais 532 serão cronometrados entre As Sakn e Dakhla, numa especial dominada pelo terreno rochoso no qual o "perigo" de os pilotos se perderem será grande.

Publicidade

Naquela que vai ser a última etapa em solo marroquino e na véspera do dia de descanso, o Oceano Atlântico vai marcar presença como pano de fundo na parte final da ligação. Quem vai estar presente na partida será Elisabete Jacinto que hoje disse que tudo tem o seu limite, afirmando que apesar do material do MAN ter atingido o seu (limite), a piloto portuguesa mostra determinação e garante que vai levar o seu camião até ao fim deste rali, porque diz ainda não encontrou o seu limite! #Automobilismo