Um dia depois da pausa para descanso e com as baterias carregadas, era com especial entusiasmo que, logo pela madrugada, carros, motas e camiões se preparavam para acelerar pelas perigosas mas convidativas dunas do deserto da Mauritânia. O problema é que muitos foram os imbróglios que marcaram este sétimo dia de África Eco Race, com a etapa 6 a ter de ser cancelada. A falta de segurança para os helicópteros voarem foi o factor decisivo.

Elisabete Jacinto, como vem sendo costume, fez o balanço do dia que, desta vez não teve competição: "Muitos quilómetros para fazer, pois é o dia de passar a fronteira. A de Marrocos fez-se num abrir e fechar de olhos: carimbar o passaporte, carimbar e assinar o papel de entrada do camião e lá vamos nós para a Mauritânia. Toda equipada com computadores, há que fazer o registo biométrico. Resultado: uma grande fila e muitas horas de espera…em pé! Prioridade às equipas...as assistências tiveram de esperar. O início da especial foi adiado, mas a falta de visibilidade é de tal ordem que os helicópteros não puderam levantar voo. Mesmo sem vento, o pó paira no ar...é como nevoeiro, mas de partículas sólidas. Conclusão: especial anulada, pois não se consegue prestar um socorro rápido em caso de acidente", afirmou a piloto portuguesa à sua assessoria de imprensa.

Publicidade
Publicidade

Numa especial curta (174 quilómetros cronometrados), mas que se previa rápida e emocionante entre Dahkla e Chami, Elisabete Jacinto aproveitou o cancelamento da etapa para as habituais assistências mecânicas, principalmente para controlar o apoio dos amortecedores. O problema (mais um) é que a mesma só chegou perto do MAN mais de onze (!) horas depois, o que impossibilitou qualquer tipo de verificação ao camião da Oleoban.

Depois de dois dias de descanso - um deles inesperado - esta África Eco Race prossegue amanhã e logo com a etapa mais longa do rali. Serão 433 quilómetros entre Chami e Amsaga, num percurso totalmente feito no deserto da Mauritânia e com muitas dunas à mistura, em que Elisabete Jacinto vai querer "voar" e repetir o bom resultado da última etapa para continuar a desafiar os seus limites.

Publicidade

#Automobilismo