O nome do novo estádio do Real Madrid continua a fazer correr tinta em Espanha. Hoje mesmo, os dois principais jornais desportivos da capital do país vizinho abordam o tema, mas com informações contraditórias. A Marca diz que o novo recinto vai chamar-se Cepsa, enquanto o As defende que será Abu Dhabi. Só uma coisa parece certa: Bernabéu deverá manter-se no nome do anfiteatro "merengue".

"O novo estádio que Florentino Pérez apresentou há uns meses poderá, afinal, chamar-se 'Cepsa Bernabéu'. O projecto está actualmente paralisado, uma vez que se encontra em pleno processo judicial, mas, segundo alguns dirigentes da entidade 'blanca', a reconstrução do Bernabéu poderá ver a luz de maneira definitiva nos últimos meses do ano 2017", escreveu hoje a Marca.

Publicidade
Publicidade

Assim que o clube de Cristiano Ronaldo receba autorização do tribunal, e uma vez que já existe licença da câmara, o IPIC (empresa de investimento 100% propriedade do governo dos Emirados Árabes Unidos) e Real Madrid activarão o acordo através do qual Abu Dhabi poderá oficializar a entrada da Cepsa no processo, seja no naming do recinto ou noutra forma de patrocínio", acrescentou o matutino. A decisão definitiva sobre o nome só será tomada depois de muitos estudos e análise de propostas que vão desde Abu Dhabi até IPIC, o fundo que se converteu num dos principais patrocinadores do Real.

"Um dos propósitos do acordo é dar a conhecer o nome da Cepsa em todos os cantos do mundo, num movimento que teve início com o patrocínio da equipa de Fórmula 1 Toro Rosso e da selecção espanhola de #Futebol e que se pretende relançar com a equipa 'blanca'", conclui este periódico.

Publicidade

O As tem, contudo, outra visão dos factos. Escreve Tomás Roncero, chefe da secção do Real Madrid naquele jornal que, ontem, numa cerimónia pública que teve lugar precisamente no edifício Cepsa, "responsáveis da empresa espanhola (comprada na totalidade pelo IPIC em 2011) comentaram que, afinal, o nome que acompanhará o de Santiago Bernabéu na fachada do novo estádio será Abu Dhabi, em vez da marca de combustíveis". O texto refere ainda que a opção IPIC (International Petroleum Investment Company) já está totalmente descartada.

Através deste fundo, Adu Dhabi vai financiar uma importante fatia dos 500 milhões de euros que custará a remodelação do futuro Bernabéu. O acordo "de larga vinculação" entre ambas entidades foi firmado no passado mês de Outubro. Prevê a realização de diferentes acções desportivas e comerciais com a equipa campeã do Mundo e da Europa, mas também com o museu e a fundação do clube. O IPIC passa assim a estar ao nível da Emirates ou da Adidas como principais patrocinadores do Real.