A acção esteve centrada no Estádio Mestalla em Valência, mas a festa da vitória da equipa da casa sob o actual campeão europeu e mundial alastrou-se a quase 9 mil quilómetros de distância. Em Coritiba, no Brasil, os golos dos valencianos foram festejados de forma efusiva, tudo porque interromperam a série de 22 vitórias seguidas do Real Madrid, deixando a salvo o recorde dos canarinhos que agradeceram a Nuno Espírito Santo e companhia o “feito” deste domingo. Denominando-se como o clube “Mais vitorioso do Mundo” o Coritiba FC registou a sua marca no Livro do Guiness quando em 2011 somou a incrível cifra de 24 jogos oficiais seguidos sempre a vencer.

Publicidade
Publicidade

Esse recorde esteve ameaçado pelo emblema de Cristiano Ronaldo, Pepe e Fábio Coentrão depois de ter chegado às 22 vitórias consecutivas, mas a derrota em Valência fez respirar fundo os adeptos do estado do Paraná.

Quando a meio da semana o Real Madrid perdeu frente ao Milan por 4-2, muitos chegaram a saltar de alegria, mas rapidamente a direcção do Coritiba avisou a “torcida” que se tinha tratado de um jogo de carácter amigável e como tal, não contava para desmantelar o recorde mundial. Este acabaria por cair poucos dias depois, e logo aos pés de vários portugueses. Há mesmo quem diga (no Brasil) que a força lusa de Nuno Espírito Santo e André Gomes deram uma ajudinha extra, onde também o carioca Diego Alves foi decisivo ao fazer defesas do outro Mundo para garantir os 3 pontos para o Valência e, claro está, dar uma alegria ao Coritiba.

Publicidade

A alegria e felicidade do emblema canarinho foi tão grande que assim que o árbitro Gil Manzano apitou para o final da partida, o Coritiba agradeceu através das redes sociais ao Valência o facto de ter derrotado o Real Madrid, garantindo assim a permanência do título de “Mais vitorioso do Mundo”. Quem não gostou nada desta manifestação de alegria foram os próprios adeptos madrilenos que “invadiram” o Twitter do emblema brasileiro com várias mensagens de desagrado, não só pela derrota em Valência como também pela "festa" canarinha que, a quase a 9 mil quilómetros de distância, garantiu mais algum tempo no livro dos recordes.  #Futebol