Luis Enrique e Messi estão de costas voltadas. Depois da maior estrela do clube ter faltado ao primeiro treino do ano civil, o treinador catalão decidiu castigar o jogador, colocando-o no banco diante da Real Sociedad. Resultado: derrota, e jogadores e adeptos contra a actual direcção do clube. Depois de demissões, restrições, maus resultados e um péssimo ambiente no balneário da equipa, a crise do Barcelona está instalada. E um dos melhores jogadores mundiais poderá estar de saída.

Tudo corre mal para os lados do clube da Catalunha. Depois de confirmada a suspensão, impingida pela FIFA, de contratar qualquer jogador profissional de #Futebol até ao ano de 2016 - devido a ilegais movimentações de dinheiro na transferência de Neymar - o maior astro do Barcelona, Leo Messi, não está feliz no clube.

Publicidade
Publicidade

Em Barcelona desde os 11 anos, o jogador já veio a público admitir que “ficar até ao fim da carreira neste clube é o maior sonho, mas não sei se será possível”. O desentendimento entre jogador e treinador terá começado com a ausência do craque no primeiro treino da equipa em 2015. Luis Enrique não terá gostado da atitude e castigou o jogador, sentando-o no banco na partida contra a Real Sociedad. Depois da derrota, alegadamente, ocorreu uma grande discussão entre ambos e ontem Messi faltou a mais um treino, alegando uma gastroenterite. Algo que pareceu soar a desculpa, por parte dos dirigentes catalães.

A implacável imprensa internacional já cheirou o sangue e, prontamente, lançou para a mesa os mais fortes concorrentes à corrida pela aquisição do jogador argentino. Chelsea e PSG parecem ser inicialmente os nomes mais fortes e capazes, financeiramente, de fazerem uma proposta pelo jogador que poderá bater todos os recordes.

Publicidade

Mas, depois de Messi ter recentemente “seguido” no facebook vários craques do Chelsea e o próprio clube, o destino poderá estar quase traçado. Se tal se confirmar, o Barcelona perde o seu maior nome e um dos melhores jogadores de sempre, depois de hoje ter perdido os dirigentes Puyol e o mítico Zubizarreta. Uma das melhores equipas de sempre poderá estar perto de uma ruptura total.