A Gala Quinas de Ouro, inserida nas comemorações do centenário da Federação Portuguesa de #Futebol, consagrou esta quarta-feira Cristiano Ronaldo, José Mourinho e Pedro Proença como "os melhores do século" mas, mais do que isso, foi um retrato do futebol português nos últimos cem anos e também uma homenagem a todos aqueles que lutaram pela camisola lusa e que a dignificaram.

Dois dias depois de receber a sua terceira Bola de Ouro, Cristiano Ronaldo foi novamente distinguido com um prémio de carreira. Desta feita, e após votação online, ultrapassou Eusébio e Luís Figo na corrida que a Federação Portuguesa de Futebol lançou para distinguir "os melhores do século".

Publicidade
Publicidade

O jogador do Real Madrid foi assim considerado a figura de maior destaque da equipa portuguesa ao longo dos últimos cem anos, ele que é não só o melhor marcador da história da seleção, mas também o segundo mais internacional de sempre.

Ausente da cerimónia que decorreu no Casino Estoril, o madeirense foi representado pelo seu empresário e amigo, Jorge Mendes. O agente justificou a ausência do avançado com o derby madrileno - o Real Madrid joga esta 5ª feira a segunda mão dos oitavos-de-final da Taça do Rei contra o Atlético de Madrid - e teceu rasgados elogios ao seu pupilo. "Estamos na presença do melhor jogador da história mundial, do melhor desportista da história. Eu tenho muito orgulho, como português, por termos um desportista deste nível. É um exemplo para os atletas jovens".

Também distinguido foi José Mourinho.

Publicidade

O treinador do Chelsea foi considerado o melhor treinador do século da FPF, apesar de nunca ter orientado a seleção nacional. Mourinho dedicou o prémio a todos aqueles que fizeram história nas camadas menos mediáticas da organização, considerando-se um "privilegiado", mas destacando o trabalho de jogadores, treinadores, médicos e dirigentes desconhecidos.

Já Pedro Proença foi considerado o melhor árbitro português de sempre e dedicou o prémio "à sua geração", considerando que esta nova vaga de juízes teve que ultrapassar muitos estigmas do passado da arbitragem.

Foi ainda revelado o melhor onze de sempre da história da FPF, sendo a equipa constituída por Vítor Baía, Fernando Couto, Germano, Humberto Coelho e Ricardo Carvalho, Coluna, Figo e Rui Costa, Cristiano Ronaldo, Eusébio e Futre.

Eusébio foi agraciado a título póstumo com o prémio Quinas de Platina e Camacho Vieira (ex-médico da seleção), Gilberto Madail (ex-presidente da FPF), Carlos Queiroz (ex-selecionador de Portugal), Luís Figo (ex-jogador e jogador mais internacional) e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional foram agraciados com as Quinas de Honra.

Fernando Gomes atribuiu distinções às associações de futebol de Lisboa, Portalegre e Porto, fundadoras da FPF. Carla Couto foi eleita a melhor jogadora de futebol feminino do século; Ricardinho e Rita Martins foram os melhores da história do futsal e Madjer o melhor do futebol de praia.