Esta foi a etapa mais longa da edição 2015 do Dakar com mais de 700 quilómetros de ligações e mais 298 cronometrados, que levou a comitiva até Rosário na Argentina. Com a vitória praticamente posta de parte, devido à penalização imposta pela troca de motor, Paulo Gonçalves preocupou-se em conservar o actual 2º lugar da geral. No entanto o motard de Esposende ficou em 3.º lugar e conseguiu ganhar tempo ao líder Marc Coma (cerca de 3 minutos), estando neste momento ainda a 17m49s do primeiro nas duas rodas. Este sábado é dia para a última e decisiva etapa, onde tudo pode acontecer, mas o principal objectivo será conservar o segundo lugar, porque atrás vem um australiano "voador".

Publicidade
Publicidade

Toby Price venceu inclusive esta 12.ª etapa, que ligou Termas de Rio Hondo a Rosário, com o tempo de 3h19m, tendo ganho a Paulo Gonçalves 3m02s e estando agora a diferença em quase 8 minutos, vantagem essa que "Speedy" vai ter de defender amanhã até à chegada a Buenos Aires. Com apenas 174 quilómetros para serem disputados, o motard avisa que nada está decidido, deixando mesmo o exemplo de Joan Barreda: "O Dakar não está terminado, falta mais um dia de corrida. Estou na segunda posição, mas nada está garantido. Tudo pode acontecer ainda, positiva ou negativamente. Mas estou muito feliz por mim e por toda a equipa HRC, e por todo o trabalho que tem vindo a ser feito. O Joan Barreda esteve na frente da corrida até ao Salar de Uyuni, mas perdeu o comando devido a um problema causado pela água no motor. Se terminarmos o Dakar no pódio já será bom", afirmou Paulo Gonçalves à sua assessoria de imprensa.

Publicidade

Ainda nas motos e nos portugueses, Hélder Rodrigues (Honda) foi 7.º a 8m40s do vencedor, sendo 11.º da geral a 3h27m de Coma. Rúben Faria foi 20.º, estando no 6.º da classificação geral.

Nos automóveis, Carlos Sousa alcançou nesta 12.ª etapa o seu melhor resultado neste Dakar, fazendo o 6.º melhor tempo a 1m52s do vencedor, o argentino Orlando Terranova. Com este resultado, o experiente piloto, que esta sexta-feira festejou mais um aniversário, manteve o 8.º posto da geral. Ainda nas quatro rodas, Ricardo Leal do Santos (Nissan) foi 17.º a 11m20s do primeiro, mantendo o 25.º lugar da geral, que continua a ser liderada confortavelmente por Nasser Al-Attiyah, que hoje foi somente 6.º na etapa.

Amanhã corre-se a derradeira tirada desta edição 2015 com 219 quilómetros de ligação e 174 cronometrados até à capital da Argentina. Um dia que, à partida, pouco ou nada alterará as actuais classificações, mas no qual os portugueses estarão atentos e expectantes para um brilharete de "Speedy". Será difícil mas como diz o outro, a esperança é a última a morrer. #Automobilismo