O rali Dakar 2015 chegou ao seu final em Buenos Aires com o português Paulo Gonçalves a conquistar o segundo lugar do pódio, atrás do espanhol Marc Coma. O piloto da equipa oficial da Honda ficou a 16 minutos e 53 segundos do vencedor, o que leva a crer que, não tivesse sido a penalização de 17 minutos que sofreu na quinta-feira, teria lutado taco-a-taco pela vitória final até ao último quilómetro. Na última etapa, que ligou Rosário à capital argentina, "Speedy" Gonçalves foi quarto, a pouco mais de um minuto do mais rápido, o eslovaco Ivan Jakes. Nos carros, Al-Attiyah foi o ganhador e Carlos Sousa terminou em oitavo.

Com este resultado, Paulo Gonçalves igualou a melhor prestação de sempre de um português na mítica prova de todo-o-terreno: o segundo lugar conquistado por Ruben Faria em 2013.

Publicidade
Publicidade

"O pódio é nosso!!! 2.º lugar no #Dakar2015", exultou o motard de Esposende na sua página de Facebook. Ruben Faria terminou esta edição do Dakar em sexto lugar e Hélder Rodrigues concluiu a prova no 12.º posto. Mário Patrão foi a única baixa na armada lusitana das motos, tendo desistido na 10.ª etapa por problemas mecânicos. Foi, contudo, um excelente Dakar para os portugueses, com três vitórias em etapas: duas de Hélder Rodrigues e uma de Paulo Gonçalves.

Esta foi a quinta vitória de Marc Coma no Dakar, sempre aos comandos duma KTM. O espanhol já havia ganho em 2006, 2009, 2011 e 2014. Ainda não foi desta que a Honda conseguiu acabar com a hegemonia da marca austríaca. Na última etapa, reduzida a pouco mais de 100 quilómetros devido à chuva, Coma foi quinto e geriu bem a corrida.

Nos carros, Nasser Al-Attiyah foi o grande vencedor, tendo repetido o triunfo conquistado em 2011.

Publicidade

Foi a quarta vitória consecutiva da Mini. O sul-africano Giniel de Villiers (Toyota) ficou em segundo lugar da geral, sendo que o pódio ficou fechado com o polaco Krzysztof Holowczyc (Mini). Os Peugeot, de regresso ao Dakar, ficaram longe da frente. Peterhansel foi o melhor, tendo terminado em 11.º, fora do top-10.

Vencedor em 2011 pela Volkswagen, Al-Attiyah ficou em primeiro lugar em cinco etapas e dominou tranquilamente a prova. Na última etapa, ficou-se pela terceira posição. O piloto do Qatar tornou-se o sétimo a vencer o Dakar mais do que uma vez, juntando-se a Jean-Louis Schlesser, René Metge, Jean-Pierre Lartigue e Stéphane Peterhansel, Hiroshi Masuoka e Ari Vatanen.

Carlos Sousa foi 11.º na etapa e ficou com o oitavo lugar da geral. Tal como Paulo Gonçalves, também foi uma penalização que impediu o piloto ASX Racing de lutar por um lugar melhor, uma vez que foi sancionado com 40 minutos por ter falhado um waypoint na nona etapa. Ricardo Leal dos Santos (Nissan) ainda não chegou ao final da etapa. #Automobilismo