Dia agridoce para Paulo Gonçalves no Dakar. Primeiro, porque o motard ficou a 17 segundos de vencer mais uma etapa, recuperando tempo para o líder das duas rodas Marc Coma. Segundo, porque o pior chegou com a confirmação da penalização de 15 minutos ao português por ter trocado de motor, punição imposta e prevista no regulamento. O homem da Honda segura no entanto o 2º lugar da geral, a dois dias do fim, tendo agora 21m12s de atraso para o primeiro.

A decisão que pode ter hipotecado as chances de Paulo Gonçalves vencer o Dakar 2015 foi pensada e ponderada, porque o risco seria, no entender do motard, bem maior se tivesse partido para esta 11ª tirada com o motor em mau estado: "Preferimos fazer esta troca a deitar tudo por terra. Tive um problema com o meu motor, não tínhamos assistência mecânica, era uma etapa maratona, não podíamos correr riscos. Só tenho a agradecer o esforço do Barreda, do Israel e do Hélder Gonçalves, cuja experiência foi fundamental. Trabalhámos de forma incrível, mudámos três motores, estou muito orgulhoso dos meus companheiros", referiu "Speedy" à sua assessoria de imprensa.

Publicidade
Publicidade

Apesar de logo à partida já saber que lhe seria imposta tal sanção, o Campeão do Mundo em 2013 e Vice-Campeão em 2014 arriscou e acabou por ficar perto de somar mais um triunfo em etapas neste Dakar, ficando atrás do colega Joan Barreda, também da Honda, e que lhe havia cedido o motor. Ainda nas motos, destaque também para Rúben Faria que depois do 3º lugar de ontem, ficou hoje num honroso 4º posto, terminando os 357 quilómetros de especial a somente 1m43s do vencedor, mantendo desta forma o 6º lugar da geral. Já Hélder Rodrigues, que fez de mecânico durante a noite na troca de 3 motores, foi 8º a 5m25s, sendo 12º da geral a 3h25m de Marc Coma.

Nos automóveis, mais um triunfo para Nasser Al-Attiyah, a quinta nesta edição, o que deixa o catari cada vez mais sozinho na frente, tendo agora 29m01s de vantagem para Giniel de Villiers, o segundo classificado da geral.

Publicidade

Nos portugueses, Carlos Sousa, no seu Mitsubishi, terminou a ligação entre Salta e Termas do Rio Hondo na 8ª posição, a 2m27s do Mini vencedor. Na geral, o piloto luso está no 8º posto, depois da penalização de 40 minutos que ontem lhe foi imposta por ter falhado um waypoint. Já Ricardo Leal dos Santos foi 21º na tirada, estando em 25º da geral a 11h17m do primeiro.

Amanhã cumpre-se a 12ª e penúltima etapa, que vai ligar Termas do Rio Hondo a Rosario. Será o tudo ou nada para Paulo Gonçalves, que, não querendo perder o actual 2º lugar, vai atacar para tentar forçar Marc Coma ao erro e ainda acalentar esperanças de vencer este Dakar 2015. #Automobilismo