Luís Figo está de volta ao #Futebol. Não, não é para jogar mas sim para ser presidente da FIFA. Aos 42 anos, o antigo internacional por Portugal anunciou através da televisão norte-americana CNN que vai concorrer à liderança do órgão máximo do futebol mundial. A um dia da data final para serem apresentadas as listas, Figo é o sexto candidato assumido, numa eleição onde está o actual presidente Joseph Blatter.

Num sufrágio que está marcado para o próximo dia 29 de Maio, Luís Figo demonstrou entusiasmo em dar uma nova "cara" ao futebol mundial, garantindo que quer retirar da FIFA as conotações negativas relacionadas com suspeitas de corrupção: "Não gosto da imagem que a FIFA tem.

Publicidade
Publicidade

Se pesquisares na internet a primeira palavra que aparece relacionada é "escândalo". É exactamente isso que temos de mudar, o futebol merece melhor ", disse em entrevista à CNN.

Com um largo leque de conhecimentos no futebol, Luís Figo passou por clubes como Barcelona, Real Madrid ou Inter de Milão e, depois de abandonar o futebol em 2009, o português foi também Director de Relações Internacionais do clube milanês, indo agora fazer frente a Blatter que está na liderança da FIFA desde 1998, algo que não intimida o jogador português: "É um desafio fantástico tentar convencer as pessoas a apoiar a minha candidatura".

Luís Figo é o sexto candidato assumido à presidência da FIFA, depois de Joseph Blatter, actual presidente, o príncipe da Jordânia, Ali bin Al Hussein, o antigo vice presidente da FIFA, Jerôme Champagne e o também ex-futebolista francês David Ginola e ainda Michel van Praag, actual presidente da Federação Holandesa de Futebol.

Publicidade

Federação Portuguesa de Futebol garante apoio

Num anúncio que obteve várias reacções ao longo da manhã, destaca-se, claro está, o apoio apresentado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), que pela voz do seu presidente, Fernando Gomes, garantiu que é uma honra, apoiar Luís Figo: "É uma enorme honra para a FPF apoiar e suportar a candidatura de Luís Figo à presidência da FIFA. Dissemos, no início do nosso mandato, que tudo faríamos para que a FPF tivesse uma maior representatividade nos órgãos de decisão do futebol mundial. Este é mais um passo. É um processo que não é fácil, mas o Luís, com a sua tenacidade, não deixará de fazer valer os seus pontos de vista sobre aquilo de que o futebol necessita", pode ler-se no sítio oficial da federação na internet.

Poderá ser uma corrida de "David contra Golias" mas Luís Figo é, desde já, a imagem da esperança de uma FIFA transparente e de volta ao que realmente interessa, o futebol.