Sérios problemas para a McLaren-Honda na Fórmula 1. Uma lacuna nos regulamentos da FIA para 2015 permitirá a todas as equipas desenvolver os seus motores durante a temporada que se avizinha, com excepção da escuderia britânica. Segundo reconheceu o organismo regulador, os construtores que homologaram os motores V6 de tecnologia híbrida em 2014 - Mercedes, Ferrari e Renault - poderão continuar a desenvolvê-los durante todo o ano. No entanto, a Honda, como se junta esta época à McLaren, deverá cumprir o seu primeiro ano de homologação sem fazer mudanças no motor.

A origem desta discrepância está num erro de redacção dos regulamentos técnicos da FIA para a nova temporada da Fórmula 1.

Publicidade
Publicidade

Ao não especificar a data de homologação dos motores para 2015, como é habitual, criou-se uma omissão que se interpreta como uma "descongelação" do desenvolvimento dos motores: os construtores poderão fazer evoluções durante todo o ano.

A FIA decidiu congelar o desenvolvimento dos motores a partir de 2014, coincidindo com a introdução dos motores V6 Turbo, para reduzir despesas. Exigiu às equipas que apresentassem a sua unidade de potência final antes da primeira corrida da temporada, no dia 28 de Fevereiro. Mas, em 2015, devido a esta omissão, não especificou nenhum prazo, o que dá via verde às equipas para desenvolver os seus motores até ao último grande prémio do ano.

"Esteve sempre previsto, ainda que não seja mencionado explicitamente nas normas, que os fabricantes teriam de fazer frente às modificações no motor dentro das limitações das normas e, logo, apresentar o seu motor de 2015 na primeira corrida do ano", disse um porta-voz da FIA.

Publicidade

"É simples, mas quando lemos a normativa, infelizmente não diz isso", admitiu. Este vazio legal, que representa uma "descongelação" dos motores para a Mercedes, a Ferrari e a Renault, não se aplica à Honda, uma vez que é um construtor novo. A Honda deverá ter o seu motor homologado no dia 28 de Fevereiro e terá de esperar um ano inteiro para fazer mudanças, como fizeram as restantes.

Charlie Whiting, director de corridas da Fórmula 1, enviou uma nota a todas as equipas para explicar-lhes a situação: "os fabricantes actuais foram obrigados a homologar os seus motores em Fevereiro de 2014. Parecia justo e equitativo pedir a um novo fabricante que homologue o seu antes de 28 de Fevereiro de 2015". Este contratempo obriga a Honda a afinar ainda mais os motores que vai fornecer à McLaren. Terá menos tempo que os restantes construtores e não terá qualquer margem de manobra. Felizmente para os japoneses, a construtora está já há um ano a trabalhar no motor e tem ainda quase dois meses para dar os últimos retoques.

#Automobilismo