Mais um jogo na Divisão de Honra da Associação de #Futebol de Viseu (AFV) que não chega ao fim. Aliás, a partida entre AD Castro Daire e CF Carregal do Sal ficou-se pela primeira parte, tudo porque o árbitro da partida, Daniel Bernardo, diz ter sido agredido por um boné atirado das bancadas quando se dirigia para os balneários. Apesar de considerar que a sua segurança não estava em causa, o juiz viseense não voltou atrás com a decisão e decidiu dar por terminado o jogo. A direcção do emblema da casa já confirmou que vai agir judicialmente contra o árbitro.

Num jogo a contar para a 17ª jornada da divisão maior do futebol do Distrito de Viseu, tudo corria dentro da normalidade até ao intervalo.

Publicidade
Publicidade

Com 1-1 no marcador, o público presente no Complexo Desportivo de Castro Daire, bem como as duas equipas, começaram a estranhar a demora no regresso ao relvado do trio de arbitragem liderado por Daniel Bernardo. Mais tarde viria a saber-se que o juiz da partida tinha decidido dar por terminado o jogo, depois de ter sido atingido no braço por um boné enviado da bancada. Segundo relato dos intervenientes, elementos das duas equipas falaram com o trio de árbitros, dando a conhecer a vontade de reatar o jogo, garantindo mesmo a AD Castro Daire que a segurança da equipa de arbitragem não estaria em causa. No entanto, e mesmo assumindo que sabia que não corria perigo de ser agredido, Daniel Bernardo decidiu dar por finalizado o jogo, remetendo agora a decisão para o Conselho de Disciplina da Associação de Futebol de Viseu.

Publicidade

Em declarações ao site SportViseu, Márcio Santos, o presidente da AD Castro Daire, deu a conhecer sua surpresa pela decisão do árbitro da partida: "Estamos surpreendidos com a decisão da equipa de arbitragem em terminar o jogo. Ele [Daniel Bernardo] queixa-se de ter sido agredido, mas ninguém viu qualquer agressão, nem o próprio apresenta marcas da mesma. Falámos com ele garantindo a sua segurança, o próprio disse que também não se sentia inseguro, mas decidiu terminar o jogo e ficámos sem fazer a segunda parte". Ainda em declarações após o final dos 45 minutos, o presidente da AD Castro Daire garante que o clube vai agir judicialmente contra Daniel Bernardo: "A nossa intenção é fazer uma queixa formal contra o árbitro. Porque os árbitros não podem pensar que fazem aquilo que querem sem que haja consequências. Havia duas equipas que queriam jogar a segunda parte. Vamos aguardar pelo relatório do árbitro também para perceber o que alega para não dar continuidade ao jogo".

Recordamos que este é já o segundo caso da temporada em que uma partida da Divisão de Honra da AF Viseu não chega ao fim, depois de em Dezembro último, o jogo da 11ª jornada entre Oliveira de Frades e Resende ter sido suspenso aos 77 minutos, depois de Pirata ter agredido o árbitro do encontro, José Manuel Santos. Ainda sem se saber o veredicto da entidade máxima do futebol viseense sobre esse caso, eis que terá agora mais um em mãos, depois do AD Castro Daire - CF Carregal do Sal ter terminado ao intervalo, por suposta agressão com um boné ao juiz Daniel Bernardo.

Publicidade

A palavra está agora do lado do Conselho de Disciplina da AFV.