Segundo a CNN, o internacional português revelou em entrevista que vai candidatar-se a presidente da FIFA, presidida por Joseph Blatter desde 1998. O antigo jogador da selecção nacional admitiu que não gosta do que tem visto associado à FIFA nos últimos anos. As eleições estão agendadas para 29 de maio e Luís Figo entra na corrida contra Blatter, que se irá recandidatar, o príncipe Ali bin Al Hussein, da Jordânia, o presidente da federação holandesa, Michael Van Praag, o antigo futebolista francês David Ginola e o ex-dirigente da FIFA, Jérome Champagne.

Em entrevista à CNN, o antigo capitão da selecção portuguesa mostrou-se preocupado com o #Futebol e com o órgão mais importante do futebol profissional.

Publicidade
Publicidade

Luís Figo já confirmou também a candidatura através da sua conta oficial no Twitter. O ex-jogador do Real Madrid e Barcelona revela-se empenhado em mudar a imagem associada à FIFA nos últimos anos; o organismo tem estado mergulhado em escândalos e a perder credibilidade. O jogador desabafou ainda que o futebol merecia muito melhor do que aquilo que está a ser feito actualmente pela FIFA.

A candidatura, já anunciada, será hoje formalizada, uma vez que o vencedor da Bola de Ouro em 2000 reúne os requisitos mínimos exigidos para concorrer. Isto significa que tem o apoio de cinco federações.

A tarefa de Luís Figo não se adivinha nada fácil, uma vez que o suíço Joseph Blatter ocupa o cargo de presidente da FIFA desde 1998, mas o antigo jogador português revela que é um desafio fazer com que as pessoas apoiem a sua candidatura e pretende destronar o suíço.

Publicidade

Figo acredita poder vencer, numa luta de David contra Golias uma vez que, ao longo da sua carreira, por diversas vezes viu uma equipa mais fraca a vencer uma considerada mais forte: "É esta a beleza do desporto, é o que guia a minha candidatura. Não será fácil, mas temos de acreditar", acrescenta o ex-capitão da selecção portuguesa.

Aos 42 anos, Luís Figo torna-se a sexta personalidade na corrida para a presidência do órgão máximo do futebol. O jogador, que passou pelo Real Madrid e Barcelona antes de terminar carreira no Inter de Milão em 2009, venceu a Bola de Ouro em 2000 e foi considerado pela FIFA o melhor jogador do Mundo em 2001.