O Qatar deu luz verde a um ambicioso projecto para ser sede de um grande prémio de Fórmula 1 com um novo circuito urbano na cidade de Lusail. Após semanas de especulação sobre a possibilidade de o país se tornar no terceiro do Médio Oriente a ter uma corrida no calendário da mais importante prova de #Automobilismo do mundo, o Sheik Tamim bin Hamad Al Thani anunciou o seu apoio à campanha para levar o grande prémio para o Qatar, revelou o AutoSport. Mas, ao contrário do que seria previsível, a intenção não passa por utilizar o Circuito Internacional de Losail, que desde 2004 recebe corridas de Moto GP, mas sim pela criação de um novo circuito nas ruas da cidade, que será também uma das sedes do Campeonato do Mundo de futebol em 2022.

Publicidade
Publicidade

Nasser Khalifa Al Attyah, presidente da entidade que tutela o desporto automóvel no Qatar, disse que o governo pediu que não fossem poupados esforços para levar a prova para Lusail, uma vez que ajudaria a promover a cidade. O também vice-presidente da Federação Internacional do Automóvel (FIA) sugeriu ainda que o novo Grande Prémio do Qatar poderia acontecer já na próxima temporada, em 2016.

O Qatar tem vindo a estabelecer boas ligações com a FIA nos últimos meses, tendo mesmo recebido a cerimónia de entrega de prémios daquela entidade no ano passado. No entanto, as intenções do Sheik Al Thani poderão esbarrar num acordo de cavalheiros entre o Bahrain e Bernie Ecclestone, responsável máximo pela Fórmula 1, no sentido de que nenhuma outra corrida iria ser criada no Médio Oriente sem o aval daquela nação.

Publicidade

Ao AutoSport, o Sheik Salman bin Isa Al Khalifa, CEO da Fórmula 1 no Bahrain, disse não haver nenhuma cláusula no contrato que permita vetar um grande prémio no Qatar, mas deu a entender que Bernie Ecclestone dificilmente o deixaria acontecer sem o apoio do seu país. "O que o senhor Ecclestone tem de particular é a forma como valoriza a amizade. Ele aprecia o passo que nós demos ao receber a Fórmula 1, uma vez que fomos os primeiros no Médio Oriente a arriscar. Mas não daria grande importância a essas notícias", afirmou.

Al Khalifa fez questão de frisar, contudo, que é contra uma nova prova na região. "Acho que a cultura da Fórmula está a crescer aqui, e podemos vê-lo lentamente, mas a minha opinião pessoal é que não estamos prontos para uma nova prova - onde quer que seja", declarou.