Esteve com um pé e meio no Sporting, mas o acordo acabou por não se concretizar e Ricardo Costa foi "trocado" por Ewerton. Aos 33 anos o central português assinou pelo PAOK de Salónica e foi já na Grécia que não escondeu o facto de ter ficado surpreendido com a escolha dos verde e brancos. Sem papas na língua, o 22 vezes internacional por Portugal reforça o talento do novo defesa leonino, mas lembra que só daqui a um mês é que o brasileiro poderá ser escolha para Marco Silva.

No entanto, e em entrevista concedida à Rádio Renascença, o experiente jogador luso deseja sorte a Ewerton, mas sublinha que não consegue entender a escolha do #Sporting: "Não sei o que o Sporting pretende com a aquisição desse jogador [Ewerton].

Publicidade
Publicidade

É um excelente jogador, que fez um bom trabalho em Braga. Foi uma escolha das pessoas do Sporting e eles é que têm de explicar o porquê das suas opções. Não sei o que se passou para estar tanto tempo parado, mas vem aí uma fase decisiva da época para a equipa e desejo-lhes muita sorte na conquista dos seus objectivos", afirmou o novo jogador dos gregos do PAOK.

Depois de cerca de seis meses no paraíso financeiro mas não desportivo do Catar, onde defendeu as cores do Al-Sailiya, Ricardo Costa voltou ao radar da Europa, tendo por diversas vezes demonstrado claro interesse em regressar a Portugal, oito anos depois de ter deixado o #Futebol nacional. Formado no Boavista e no FC Porto, o defesa central soma no seu currículo 14 títulos, nos quais se destacam as conquistas da Liga dos Campeões (2003/2004), da Taça UEFA (2002/2003) e o tetra campeonato nacional, sempre com as cores dos azuis e brancos.

Publicidade

Fora de Portugal, Ricardo Costa foi campeão alemão pelo Wolfsburgo em 2008/2009 e foi figura de destaque nos franceses do Lille (2009/2010) e dos espanhóis do Valência (2010/2014).

Depois de perder o lugar nas convocatórias da selecção nacional desde que Fernando Santos assumiu a equipa das quinas, Ricardo Costa também não escondeu que o regresso ao futebol europeu tem em vista o voltar a reconquistar o espaço e tempo perdido. Curiosamente, o defesa central aconselhou-se junto do treinador nacional sobre o seu novo clube, visto este ter orientado o emblema de Salónica durante três anos.

Experiente, com grande sentido posicional e acima de tudo, um líder por natureza, Ricardo Costa era visto por todos como o reforço ideal para um Sporting, que precisa de uma voz de comando, numa defesa onde os mais categorizados são Rui Patrício e Jefferson. Com a aposta a recair sobre o talentoso, mas "encostado" Ewerton, os leões optaram por fazer uma aposta de futuro que demorará algum tempo (tal como já confirmou Marco Silva) a chegar ao onze titular, do que contratar um jogador a entrar na recta final da carreira, mas que chegaria com ritmo e pronto para assumir a responsabilidade e o peso de uma equipa. Escolhas são escolhas e o Sporting fez a sua. Ricardo Costa não gostou, estranhou até, mas também seguiu a sua carreira.