É na terra dos cangurus que é hoje dado o pontapé de saída da 16ª edição da Asian Cup, a Taça Asiática de #Futebol. Na competição, que reúne as 16 melhores equipas daquele continente, muitos são os aperitivos para um torneio que se vai prolongar até ao próximo dia 31 de Janeiro. O Japão, campeão em título (venceu 3 das últimas 4 edições), surge como candidato número um. Mas, como em todo o lado, aqui também há um português. Carlos Queiroz chega à Austrália com as expectativas elevadas de poder levar o Irão ao quarto título asiático, algo que foge desde 1976.

A equipa iraniana é aliás a única que "rouba" jogadores aos clubes portugueses, a saber, o guarda-redes do Penafiel, Alireza Haghighi.

Publicidade
Publicidade

De resto, muitas são as estrelas do futebol mundial que vão estar presentes nesta Taça Asiática. Nomes como do sul-coreano Son Heung-Min do Bayer Leverkusen, do veterano, mas talentoso australiano, Tim Cahil (NY Red Bulls), ou ainda dos japoneses Nagatomo (Inter de Milão), Keisuke Honda (AC Milan) ou Shinji Kagawa do Borussia de Dortmund, são os selos de qualidade para esta competição.

Estranheza pode causar talvez o facto desta Taça Asiática se disputar na Oceania. Este dado deve-se ao facto da Austrália, apesar de ser um país não asiático, jogar e disputar as qualificações e competições oficiais pela AFC - Asia Football Confederation - sendo considerada como um membro daquele continente. Este torneio vai contar com um estreante de "peso", a Palestina. Pela primeira vez nestas andanças, os palestinianos fizeram história ao carimbarem a passagem para esta competição depois de conquistarem a AFC Challenge Cup frente às Filipinas.

Publicidade

Conscientes das suas limitações futebolísticas, a equipa não esconde a sua "agenda" política nesta competição, que tem passado por alertar a comunidade internacional para a situação vivida no País. Alguns dos jogadores palestinianos não vão, inclusive, poder estar nesta Taça da Ásia a representar a sua selecção, devido a restrições impostas por Israel.

Esperando que o futebol faça uso do seu efeito pacificador, é com o foco nas balizas dos cinco estádios australianos que os fãs de todo o mundo vão querer saltar e ficar de olhos em bico com o que de melhor o Desporto-Rei tem, espectáculo e golos. Que role a bola.