Num encontro marcado por duas expulsões, os Dragões foram até ao reduto do SC Braga empatar (1-1) num jogo cheio de emoção do princípio ao fim. Até porque foram várias as situações de perigo junto das balizas que podiam fazer com que o resultado fosse diferente no final dos 90 minutos.

Vamos então contar o que realmente aconteceu neste jogo e por ordem cronológica, dado que as peripécias foram inúmeras e mais do que é normal em qualquer partida do desporto rei. O início do jogo ficou marcado por duas substituições, uma para cada lado, por causa de problemas físicos. Estava o relógio a marcar dez minutos do primeiro tempo quando André Pinto entrou para o lugar de Aderlan Santos; a formação portista faz entrar Tello para ocupar o lugar de Adrián López, que sofreu uma lesão muscular.

Publicidade
Publicidade

Com a posse de bola a ficar divida, passava o minuto 25 quando Evandro marcou de penalti, resultado da falta assinalada na sequência do alegado empurrão do defesa Sasso sobre o estreante avançado sub-21 português, Gonçalo Paciência. Com a vantagem, tudo fazia prever que os azuis e brancos tivessem uma noite positiva na cidade dos arcebispos, mas logo depois percebeu-se que não.

Ocorreram duas expulsões em nove minutos que deixaram os Dragões a jogar somente com nove jogadores. Ao minuto 34 o defesa mexicano Diego Reyes viu o segundo cartão amarelo por falta cometida sobre o avançado bracarense Zé Luís. Ao 43º minuto, o brasileiro Evandro viu o vermelho directo, após ter cometido uma suposta pisadela sobre Pedro Santos e de ter pontapeado a bola que ficou presa nas pernas do jogador minhoto.

Publicidade

Esta atitude do jogador dos azuis e brancos obrigou os seus companheiros de equipa a um esforço guerreiro durante a partida. Porém, há que dizer que ficou um segundo amarelo por mostrar a Sasso, ao minuto 37, quando o defesa bracarense cometeu uma falta muito dura sobre Gonçalo Paciência. Expulsão perdoada ao Sporting de Braga.

Após o intervalo Julen Lopetegui fez algumas alterações no FC Porto para segurar o resultado. Sérgio Conceição, por seu lado, aproveitou para dar poder de fogo à sua equipa, introduzindo Rafa no lugar de Baiano. Perante este cenário, o Sporting Braga mostrou alguma superioridade e criou bastante perigo junto da baliza de Helton durante a segunda parte.

Numa das subidas dos minhotos Cosme Machado assinalou grande penalidade, porque entendeu que Bruno Martins Indi empurrou o internacional português Éder pelas costas. O capitão Alan aproveitou para bater de forma fria e calculista Helton, empatando o encontro. Este resultado, bem como o caudal ofensivo do Braga, mantiveram-se até final, com o guarda-redes dos azuis e brancos a ser o garante deste ponto precioso para o FC Porto. Aos 36 anos, e depois de um calvários de largos meses a recuperar de lesão, o internacional brasileiro Helton mostrou que ainda "está vivo" e pronto para mostrar o que todos nós conhecemos dele.

Publicidade

Sinal mais ainda para as várias incursões do sempre rápido Tello e do habilidoso médio internacional mexicano Herrera, que quase punham o FC Porto em vantagem neste encontro.

O FC Porto alinhou com o seguinte onze: Helton; Ricardo Pereira, Reyes, Marcano e José Angel; Ruben Neves, Campaña e Evandro; Adrian, Quintero e Gonçalo Paciência. Jogaram também Bruno Martins Indi, Herrera e Tello.

Já o SC Braga apresentou-se inicialmente com Kritciuk; Baiano, Sasso, Santos e Tiago Gomes; Luiz Carlos, Danilo Silva e Alan; Pedro Santos, Salvador Agra e Zé Luís. André Pinto, Rafa Silva e Éder entraram no decorrer do encontro. #Futebol #F.C.Porto