Não podia ter sido mais decisiva a estreia de Tanaka a marcar na Liga Portuguesa. Lançado aos 79 minutos, por Marco Silva, para o lugar de Montero, o avançado japonês fez, aos 90+5, o golo que valeu ao #Sporting a vitória diante do SC Braga e a chegada ao terceiro lugar da classificação, ultrapassando o Vitória de Guimarães que, nesta 16.ª jornada, perdeu no Estádio da Luz, por 0-3Tanaka, de resto, foi o tema da noite de domingo. Por entre muitas mensagens de apoio, quer dos adeptos, quer dos próprios companheiros de equipa, o japonês acabou por abrir o coração, numa mensagem na sua língua, carregada de sentimento, a que o "Blasting News" teve acesso e partilha agora.

"Um objetivo muito aguardado, que consegui finalmente cumprir.

Publicidade
Publicidade

Em cima do final do jogo, com um 0-0, um livre direto. Foi-me dito pelo árbitro que era o último lance da partida. O Nani deixou-me marcar o livre, numa excelente posição. Sentia-me bem, confiante. Relaxei, partir para a bola e chutei... é assim o #Futebol. Marquei o meu primeiro golo na Liga Portuguesa. Um golo inesquecível."

Foi esta a mensagem colocada por Tanaka, na sua versão original em japonês, como que num diário, partilhando com os seus compatriotas mais próximos a alegria pelo golo marcado. O avançado japonês, de resto, aproveitou da melhor maneira a partida de Slimani para o CAN. No primeiro jogo do Sporting sem o internacional argelino, e com Montero, naturalmente, a ocupar a vaga como titular, Tanaka acabou por ser a primeira opção de Marco Silva a sair do banco, lado a lado com Carlos Mané, que substituiu Adrien Silva.

Publicidade

O lance que dá origem ao golo, de resto, é digno de registo. Uma bola bombeada para a área, que parecia destinada a não ter sucesso. Tanaka foi, de resto, o único a acreditar que podia chegar àquela bola e o único que acreditou que Matheus, guarda-redes do SC Braga que, até aí, tinha sido uma muralha intransponível, podia falhar. E falhou. O guardião brasileiro chegou tarde, acabou por fazer uma falta feia sobre Tanaka (Hugo Miguel mostrou apenas o cartão amarelo nesse lance) e o japonês chamou a si a responsabilidade de bater o livre. Bola à entrada da área, descaída para o lado direito. Pé esquerdo na bola, remate forte, com conta, peso e medida. Golo do Sporting e... apito final.